Bauru

Política

Tribunal de Justiça nega recurso de Gasparini para desbloqueio de bens

Justiça havia determinado o sequestro preventivo de bens móveis, imóveis e animais para comércio do ex-presidente da Cohab, acusado por desvios milionários na companhia de habitação

23/11/2021 - 21h37

Vinicius Bomfim/JC Imagens

Gasparini é acusado pelo desvio de R$ 54 milhões da Cohab

A 9ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça (TJ) de São Paulo negou provimento a um recurso do ex-presidente da Cohab Edison Bastos Gasparini e de seus familiares diretos para derrubar o sequestro de bens da família. Desta forma, Gasparini e os demais acusados no escândalo de desvios milionários na Cohab seguem com seus bens indisponíveis enquanto o processo tramita no Judiciário.

Todos os bens continuam bloqueados, com a gerência de um administrador judicial, até o valor de R$ 54 milhões (desvio apurado pelo Ministério Público - Gaeco).

Conforme o JC já publicou, a 4ª Vara Criminal de Bauru, onde corre o processo de peculato, havia deferido um pedido do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) local e decretou o sequestro preventivo de bens móveis, imóveis e semoventes (animais para comércio) pertencentes a Edison Bastos Gasparini Junior (ex-presidente da Cohab), Mariana Gonçalves Dias Gasparini (filha), Izabel Cristina Gonçalves Dias Gasparini (esposa), até o limite de R$ 54,8 milhões, incluindo-se os bens que os mesmos possam ter transferido a pessoas jurídicas das quais façam ou tenham feito parte.

O valor de R$ 54,8 milhões refere-se a possíveis desvios, apurados pelos promotores, no pagamento de seguro habitacional da Cohab que deveria ter sido efetuado à Caixa Federal. A decisão judicial também prevê a nomeação de um administrador para assumir o gerenciamento desses bens. As informações foram enviadas pelo Gaeco, na noite desta quinta-feira.

O Gaeco informa que a investigação prossegue para a apuração de outros possíveis envolvidos no esquema de desvio em investigação, seja na dissimulação ou ocultação dos valores desviados.

O advogado de Gasparini, Leonardo Magalhães Avelar, afirma que "a decisão proferida pelo Tribunal de Justiça ainda não é definitiva, na medida em que questões relevantes foram arguidas em sede de embargos de declaração, que ainda se encontram pendente de julgamento."

"João de Barro"

A Operação "João de Barro" foi deflagrada no dia 17/12/2019, através do cumprimento de mandados de busca em relação a quatro acordos firmados pela Cohab/Bauru junto a construtoras no âmbito de processos judiciais, os quais prosseguem sendo investigados, cada qual em um procedimento próprio.

Gaeco relembra que durante as investigações, através da oitiva de funcionários da companhia e de documentos obtidos, foi constatada uma possível nova forma de desvio de dinheiro dos cofres da Cohab, em relação ao pagamento do seguro habitacional de mutuários.

"Segundo foi constatado, valendo-se da existência de uma dívida do seguro habitacional referente ao período de julho/1998 a outubro/2010, e sob a justificativa de pagamento dessa dívida, entre julho/2007 a dezembro/2019, foram realizados inúmeros saques nas contas da companhia, sempre na "boca do caixa", totalizando-se, sem correção, a expressiva quantia de R$ 54.879.400,00", acrescenta o Gaeco.

Ler matéria completa

×