Bauru

Política

Greve e Processante expõem postura de confronto da prefeita de Bauru

O programa Café com Política avaliou o desempenho de Suéllen em dois momentos críticos da administração neste ano

por Tânia Morbi

06/08/2022 - 05h00

Jurandir Posca foi o convidado de ontem do Café com Política, que pode ser assistido através do QR Code abaixo

Na avaliação de participantes do programa Café com Política, transmitido nesta sexta-feira pela 96 FM em parceria com o Jornal da Cidade/JCNET, a prefeita Suéllen Rosim (PSC) decidiu-se por uma postura de confronto no embate com os grevistas da Emdurb e pode ter angariado simpatia junto a parcelas da população. Na análise do convidado do programa, o empresário Jurandir Posca, ela demonstrou força e firmeza nos posicionamentos que assumiu e nas decisões que tomou durante a crise.

Como mostrou o Jornal da Cidade e a 96FM, os servidores aceitaram na quinta-feira (5) a nova proposta da empresa, que mantém o escalonamento do reajuste do vale-compras, mas em três parcelas a serem pagas entre janeiro e setembro de 2023.

Questionado pelo economista e apresentador do programa, Reinaldo Cafeo, Jurandir opinou que a concessão do reajuste para apenas parte dos trabalhadores foi um erro de estratégia, mas que a postura da prefeita foi correta na sequência dos fatos. "Viram (o erro) depois de feito, não dava para voltar atrás. Foi um tiro no pé. Mas ela fez o que outros políticos de Bauru não fariam. Foi muito firme", avaliou.

Posca acha que o erro não teve objetivo de desgastar ainda mais a empresa e buscar a privatização, como se especula, mas foi falta de experiência política, inclusive de sua assessoria.

RELANÇAMENTO

Apesar da exposição que a greve proporcionou sobre a real situação da Emdurb, ponderada por Cafeo, o diretor de jornalismo do Jornal da Cidade, João Jabbour, observou que o Executivo não dá sinais de que vai discutir a crise na empresa. "Não acho que vai haver uma reinvenção da Emdurb neste momento, não se vê um posicionamento da prefeita em relação a isso. Ela apagou o incêndio, correu e se posicionou de forma firme, é inegável", comentou.

Jabbour considerou inclusive que a Suéllen usou o vídeo postado por ela em suas redes sociais, no qual critica o que seria uma ação deliberada dos funcionários para prejudicar a coleta, para mostrar força diante da situação. "Justificado ou não, com operação padrão ou não, o vídeo trouxe a ela um certo apoio da população. Ela jogou pesado, optou por esta estratégia. A greve termina, pode se dizer, com vitória da prefeitura. Mas, ficou nisso, não se discutiu a Emdurb", concluiu.

MESMA POSTURA

Para o especialista em marketing político e comunicação eleitoral Kleber Santos, Suéllen deve manter a mesma postura a partir de agora para consolidar a imagem que conseguiu construir no episódio. "Pela forma que ela decidiu trabalhar, ir para o enfrentamento, se deu bem. O político, principalmente no Executivo, tem que projetar e consolidar uma imagem de líder que resolve. Então, a partir do momento que ela foi firme, e passou uma imagem que muita gente até não tinha dela, acredito que isso ajudou. Ela agiu certo do ponto de vista da comunicação e da estratégia", avaliou Kleber.

CP DA EDUCAÇÃO

A mesma estratégia de demonstrar força tem sido usada em sua defesa na Comissão de Inquérito (CP), que apura denúncia contra ela na Câmara. Os últimos depoimentos, em especial da secretária de Educação, Maria do Carmo Kobayashi, demonstrariam que a técnica usada tem sido o ataque como forma de defesa, na opinião dos participantes.

Tanto que a defesa até mudou o discurso e agora tem negado que as aquisições foram para cumprir a destinação dos 25% obrigatórios do setor, defendendo haver planejamento anterior para a decisão. "Prepararam muito bem a secretária Maria do Carmo e, realmente, hoje você vê o que o advogado faz. A cidade está perdendo com tudo isso", lamentou Posca.

O posicionamento do advogado Jeferson Daniel Machado tem tornado claro o objetivo da defesa. "Sua postura reforçou muito as linhas de defesa da prefeita e sua equipe. Por isso, neste momento, a sensação é de que ela está bem. Mas, ainda tem mais pela frente (na CP), 45, 50 dias...", ponderou Jabbour.

OUTROS TEMAS

Além do rescaldo da greve dos coletores e dos movimentos políticos da chefe do Executivo de Bauru, o programa Café com Política também mostrou as últimas pesquisas de intenção de votos para o Governo Federal, debateu sobre as mudanças na corrida pelo Governo do Estado, A eleição de senadores e deputados, inclusive de Bauru, avaliando o ocorrido com o vereador Coronel Meira (União Brasil), que ficou fora da disputa depois de ter legenda negada pelo seu partido. Assista!

Ler matéria completa

×