Bauru e grande região

Regional

Santa Cruz do Rio Pardo confirma morte de jovem por febre maculosa

Regiões frequentadas pela vítima em três cidades serão vistoriadas pela Sucen visando à localização de carrapatos e instalação de placas de alerta

por Lilian Grasiela

01/02/2019 - 15h35

Jornal Debate
A prefeitura apontou como locais prováveis da infecção a beira de rio da área rural do município

Santa Cruz do Rio Pardo - A Secretaria Municipal de Saúde e a Vigilância Epidemiológica de Santa Cruz do Rio Pardo (90 quilômetros de Bauru) confirmaram nesta sexta-feira (1) uma morte por febre maculosa na cidade. A vítima é um jovem de 19 anos, que não teve o nome divulgado, e chegou a ficar internado em um hospital particular de Ourinhos.

Em nota, a Secretaria de Gestão e Comunicação do município informou que o morador de Santa Cruz do Rio Pardo morreu no início de janeiro. As causas passaram a ser investigadas e exames realizados pelo Instituto Adolfo Lutz confirmaram que o óbito ocorreu por febre maculosa.

A prefeitura apontou como locais prováveis da infecção a beira de um rio na área rural de Santa Cruz do Rio Pardo, o Camping de Timburi e o município de Piraju. Todos esses locais foram frequentados pela vítima recentemente. Nesta última cidade, o homem participou de pescaria.

"Técnicos da Sucen (Superintendência de Controle de Endemias) farão trabalho de campo nos LPIs (Locais Prováveis de Infecção) para a pesquisa de presença do carrapato. A área será identificada com placas alertando a população sobre perigo da presença de carrapatos no local", diz.

A assessoria de imprensa da Prefeitura de Santa Cruz do Rio Pardo confirmou que já foram registradas outras duas mortes por febre maculosa no município, em 2013 e 2016. Somente no ano passado, o Estado de São Paulo registrou 14 mortes pela doença, além de 32 casos de infecção.

Em 2017, a febre maculosa causou 32 mortes. Foram ainda registrados 29 casos em que o paciente se recuperou. Em 2016, foram contabilizadas 64 mortes. Além de São Paulo, carrapatos transmissores podem ser encontrados em regiões de Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Distrito Federal e parte da Bahia.

A DOENÇA

A febre maculosa é uma doença febril aguda causada por uma bactéria transmitida para pessoas pelo carrapato Ambyomma cajannense, também conhecido por "carrapato estrela", "carrapato de cavalo", ou "rodoeiro". O micuim (larva do carrapato estrela pode transmitir a doença). A transmissão ocorre através do carrapato infectado pela bactéria Rickettssia rickettsii, que é encontrada no sangue de animais como capivaras, cavalos, cães, aves e coelhos.

A partir do 2º dia da picada do carrapato infectado até o 14º dia (em média 7 dias), aparecem sintomas como febre, dor de cabeça, dores no corpo, manchas avermelhadas e olhos irritados. No 3º e 4º dias, podem ocorrer manchas avermelhadas (máculas) em torno do punho, tornozelo, tronco, rosto, pescoço, palma das mãos e sola dos pés.

Para evitar a contaminação, a Prefeitura de Santa Cruz do Rio Pardo orienta as pessoas a evitarem áreas infestadas, pastagens de animais e margens de rios habitados por capivaras. Ao apresentar sintomas da doença após encontrar carrapatos pelo corpo ou frequentar áreas de risco, é necessário procurar uma unidade de saúde para avaliação.