Bauru e grande região

Regional

Polícia Civil prende o trio que espancou homem em praça de Jaú

Vítima foi internada na Santa Casa local, mas morreu três dias após as agressões

por Lilian Grasiela

21/02/2019 - 07h00

Polícia Civil/Divulgação
Pedaço de madeira usado na agressão foi apreendido

Jaú - Equipe da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Jaú (47 quilômetros de Bauru) prendeu três homens suspeitos de espancar Celso Juarez Callegari Junior, de 39 anos, na madrugada do último dia 18 de novembro, na Praça Dr. Luciano Pacheco de Almeida Prado Netto, conhecida como "Praça do Museu". A vítima foi internada na Santa Casa com traumatismo crânio-encefálico e morreu três dias depois.

Conforme divulgado pelo JC, Callegari Junior, que era conhecido como "Toco", foi encontrado por populares inconsciente e com lesões características de agressão. Socorrido por viatura do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), ele passou por procedimento cirúrgico na Santa Casa e foi internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), onde morreu na manhã do dia 21.

"Com as investigações realizadas, apurou-se que Celso era morador de rua e passava as noites na praça do museu da cidade, onde foram identificados outros indivíduos, os quais tiveram contato com a vítima antes da sua morte. Todavia, eles alegavam apenas que socorreram a vítima, desconhecendo quem a teria agredido", conta o delegado titular da especializada, Marcelo Aparecido Tomaz Goes.

Após diligências, policiais civis da DIG identificaram três suspeitos do crime - A.D.T., 49 anos, E.D.P., 39 anos, e R.F.O., 24 anos. Todos eles tiveram as prisões temporárias decretadas. "Os dois primeiros, também moradores de rua, foram presos na última segunda feira (18), o primeiro nas proximidades do museu e, o segundo, numa casa abandonada no Jardim Olimpia", revela o delegado.

De acordo com Goes, ambos confessaram que agrediram Callegari Junior com chutes nas regiões do tórax e cabeça após desentendimento, mas alegaram que R.F.O. havia desferido pauladas na cabeça da vítima. O pedaço de madeira usado nas agressões foi apreendido. "O mandado de prisão temporária de R.F.O. foi cumprido na Penitenciária de Iaras, onde ele se encontra preso por outra prática", diz.

Segundo o titular da DIG, os três suspeitos foram indiciados pelo crime de homicídio qualificado, por motivo fútil e meio cruel. Com a conclusão do inquérito, ele informa que irá representar pela prisão preventiva do trio.