Bauru e grande região

Regional

Cães da PM são atrações nas escolas

Programa visa aproximar alunos da Polícia Militar; pelo menos cinco escolas já receberam apresentações nesta edição

por Sérgio Fleury Moraes especial para o JC

25/08/2019 - 06h00

Fotos: Lucas Pereira/Debate

Crianças acompanham com muita atenção as habilidades de Panthro, que diverte os pequenos com várias demonstrações

Santa Cruz do Rio Pardo - Polícia Militar de Santa Cruz do Rio Pardo (97 quilômetros de Bauru) implantou o programa "Amigos do Canil", que visa a aproximação com crianças e pais da rede de ensino. É o primeiro projeto educacional desde que o antigo Proerd foi paralisado. Todas as semanas, policiais da corporação visitam escolas da cidade, realizam palestras sobre a Polícia Militar e apresentam os cães do canil construído na sede da PM no início do ano. Os animais, inclusive, divertem as crianças como demonstrações de combate à criminalidade

Até agora, já foram contempladas com o programa quatro escolas de Santa Cruz do Rio Pardo - "Genésio Boamorte", "Peralta", creche "Criança Feliz", "Núcleo Wilson Gonçalves" e uma escola de São Pedro do Turvo. Outras escolas também podem participar do programa, através de agendamento direto com a Polícia Militar.

Os dois cães do canil de Santa Cruz, Bóris e Panthro, são treinados e cuidados pelo cabo Éder Ricardo Fernandes. "A interação da instituição com as crianças é muito importante para desmistificar aquela imagem ruim que é atribuída à polícia, na maioria das vezes pelos próprios pais, mesmo que involuntariamente", disse Éder.

Assim, os cães viram uma atração para os estudantes e facilitam o diálogo com os policiais. "Estamos explicando o entendimento de que a polícia é amiga e combate apenas os malfeitores", afirmou.

A última escola visitada pelo programa "Amigos do Canil" foi a de educação infantil "Peralta", nos altos da Estação. A apresentação reuniu cerca de 90 crianças e houve várias demonstrações dos farejadores cães Bóris e Panthro, que encantaram as crianças.

 

Combate ao tráfico

O canil da Polícia Militar de Santa Cruz do Rio Pardo foi construído nos fundos do quartel, na avenida Pedro Catalano. O primeiro cão a integrar o canil foi Bóris, que é um pastor da raça Belga Malinois, a mais utilizada pela polícia no mundo todo. Depois, chegou Panthro e ambos são treinados pelo cabo Éder Fernandes.

Houve, inclusive, necessidade de uma viatura adaptada para o transporte dos animais farejadores, inclusive com ar condicionado. Quando em atividades, Bóris e Panthro usam um colete especial com o nome estampado.

O canil tem uma importante função no combate à criminalidade e ao tráfico de drogas. Com a ajuda dos animais farejadores, policiais militares já encontraram muitas drogas escondidas em terrenos ou nas casas de traficantes. Bóris deve se aposentar no próximo ano, mas não está descartada a vinda de outros cães para a PM de Santa Cruz do Rio Pardo.

'O canil é a nossa cereja no bolo'

Lucas Pereira/Debate

Cabo Éder Fernandes, responsável pelo treinamento dos animais

Para o cabo Éder Fernandes, responsável pelo treinamento dos animais do canil da PM de Santa Cruz, a chegada do primeiro deles, no início do ano, alterou a rotina das atividades. "Nosso trabalho é um conjunto de modalidades, como policiamento, os patrulheiros que realizam abordagem e averiguações de denúncias da população. Mas eu diria que o trabalho do cão é um complemento, nossa cereja no bolo", disse.

Os números, afinal, são expressivos. Desde que a Polícia Militar de Santa Cruz passou a atuar com os cães, no dia 24 de janeiro, os traficantes já tiveram um prejuízo estimado em R$ 107 mil. Houve grande apreensão de todos os tipos de drogas, como maconha, crack, LSD, ecstasy e até munições calibre 22. Todos estes números são de ocorrências que tiveram a participação do cão.

Até sexta-feira, foram 31 ocorrências com a presença do cão farejador, todas com localização de drogas. Nas operações em toda a área do batalhão, foram 12 menores apreendidos e 29 maiores presos. As ações com cães farejadores foram realizadas em Santa Cruz, Ourinhos, Bernardino de Campos, Ribeirão do Sul, Salto Grande, Ipaussu e São Pedro do Turvo.

Para o cabo Éder Ricardo Fernandes, que já manifestou o desejo de ficar com Bóris — o primeiro animal do canil de Santa Cruz — quando ele se "aposentar", é preciso ressaltar que as ações não são méritos exclusivos do canil, já que a Polícia Militar trabalha conjuntamente com diversas modalidades de policiamento. "Mas é a cereja no bolo, aquele encerramento com chave de ouro", avaliou o policial militar responsável pelos treinamentos no canil.

Ler matéria completa