Bauru e grande região

Regional

Familiares e amigos se despedem de Emanuelle, assassinada em Chavantes

A criança, de 8 anos, foi encontrada morta em uma estrada próximo à Fazenda Santa Rosa, divisa entre Chavantes e Canitar; sepultamento será antecipado a pedido da família

14/01/2020 - 12h33

Reprodução

Emanuelle, 8 anos, estava brincando quando foi levada pelo suspeito

Um crime que chocou a pequena cidade de Chavantes, na região de Ourinhos (130 quilômetros de Bauru), tem, na tarde desta terça-feira (14), a despedida, sob forte emoção, do corpo da pequena Emanuelle Pestana de Castro, de 8 anos.

Ela havia desaparecido na última sexta-feira (10), à tarde, e teve seu corpo localizado na área rural do município, na noite desta segunda-feira (13), perto de um córrego na divisa entre Chavantes e Canitar. O principal suspeito pelo assassinato, Agnaldo Assunção, conhecido do pai da vítima, teria confessado o crime. A criança foi morta por vários golpes de faca. Ainda é investigado se houve abuso sexual.

A família velou o corpo de Emanuelle, no Velório Municipal de Chavantes e o sepultamento, anteriormente marcado para o fim da tarde, foi antecipado, a pedido da família. O enterro ocorreu no Cemitério Municipal.

O crime

Segundo a Polícia Civil de Chavantes, a menina brincava na sexta-feira (10) em um parquinho na Praça do Bode, no bairro Três Cantos, perto da casa do assassino, quando sumiu. A mãe contou à polícia que, de vez em quando, ia na praça ver a filha brincar. Por volta das 17h, quando foi chamá-la, a menina já havia desaparecido. Desde então, Emanuelle era procurada por policiais, guardas civis, familiares e amigos.

De acordo com a equipe do Repórter na Rua, Emanuelle foi encontrada morta numa estrada próximo à Fazenda Santa Rosa, entre Chavantes e Canitar. A informação de que Agnaldo Assunção, um conhecido da família, foi visto com a menina no dia do desaparecimento, levou a polícia a interrogá-lo primeiro como testemunha.

Depois, ele confessou e apontou o local onde deixou o corpo. Aguinaldo teria negado que estuprou Emanuelle, mas o estupro também não é descartado.

O motivo do assassinato da menina seria porque ela discutiu com uma outra criança, que é enteada do acusado, no dia anterior ao crime, mas a polícia investiga outras hipóteses. O homem também teria dito que ficou com raiva porque a mãe da menina não a deixava brincar com o seu enteado.

Agnaldo convenceu Emanuelle a ir com ele em uma bicicleta dizendo que iriam apanhar algumas mangas para levar de presente à família dela, segundo a equipe do Repórter na Rua. Ele tem antecedentes criminais e já cumpriu pena.

Ler matéria completa