Bauru e grande região

Regional

Covid: só pacientes com falta de ar devem procurar Santa Casa

Prefeitura de Jaú e hospital convocaram coletiva para divulgar panorama da doença e situação da estrutura de saúde

por Lilian Grasiela

13/01/2021 - 05h00

Tuca Melges/Secom Jaú

Provedor Alcides Bernardi Jr, prefeito Ivan Cassaro e secretário de Saúde, Rodrigo de Callis Brandão

Jaú - Nesta terça-feira (12), durante coletiva de imprensa, Prefeitura de Jaú (47 quilômetros de Bauru) e Santa Casa divulgaram dados que revelam o aumento nos casos de Covid-19 na cidade e crescimento na taxa de ocupação dos leitos de UTI destinados aos pacientes com quadro grave da doença. Temendo um colapso no sistema hospitalar, a Santa Casa fez um apelo para que pessoas com sintomas leves busquem atendimento nas unidades básicas de saúde e no hospital São Judas, procurando o hospital apenas se o quadro for de comprometimento respiratório (falta de ar).

O alerta foi feito pelo médico responsável pelo Pronto-Socorro (PS) da Santa Casa de Jaú, Christiano de Luca Nassif. Ele conta que, nas últimas semanas, a crescente demanda de casos suspeitos e confirmados de Covid-19 levou a uma saturação no serviço de saúde do hospital.

"O recado que deixo é: na presença de sintomas leves, de febre, coriza, tosse, perda de cheiro e paladar, dor de cabeça e que não tenha falta de ar, (o paciente) deve procurar o Hospital São Judas e os postos de saúde. Reservem a Santa Casa para pacientes com falta de ar e que chegam ao hospital em unidades de transporte de urgência e emergência", declara.

"Muitos pacientes estão vindo ao Pronto-Socorro após realizarem exames de farmácia. Não devem fazer isso. Busquem orientação nos postos de saúde. Se a população ajudar dessa forma, já vai dar um respiro muito grande para conseguirmos atender com sucesso quem precisa de cuidados de média e alta complexidade".

O secretário de Saúde de Jaú, Rodrigo de Callis Brandão, explicou que, no último dia 8, quando o governo do estado manteve o Departamento Regional de Saúde (DRS-6) de Bauru na fase amarela do Plano São Paulo em razão dos indicadores envolvendo capacidade do sistema de saúde e evolução da pandemia, a taxa de ocupação de leitos de UTI na região era de 66%. Hoje, segundo ele, essa taxa é de 76%.  

"Estamos seguindo à risca o Plano São Paulo. Mas, daqui 15 dias, se a população continuar com esse tipo de comportamento, relaxando por achar que a fase amarela libera para tudo, nós vamos colapsar o sistema hospitalar. As enfermarias estão lotadas, os médicos estão sobrecarregados e não tem médicos e efetivo para atender a esse aumento exponencial de casos de procura pela Santa Casa", afirma.

O prefeito Ivan Cassaro pediu a colaboração da população no combate ao novo coronavírus. "É uma doença muito grave, que não perdoa idade e nem sexo. Ela mata. Domingo, andei pela cidade e vi que ninguém está levando a sério. Vi agrupamentos de gente sem precaução nenhuma", disse. "Não temos uma grande estrutura para fiscalizar 150 mil habitantes. Contamos com cada munícipe para nos auxiliar nessa fiscalização também, pois queremos evitar o fechamento do comércio e o aumento do número de mortes".

DESAFIOS

O provedor da Santa Casa, Alcides Bernardi Júnior, apontou os desafios financeiros que o hospital vem enfrentando desde o início da pandemia, como o recente corte de 12% feito pelo governo do estado em dois programas de auxílio financeiro aos hospitais filantrópicos, que resultarão em quase R$ 1 milhão a menos nos cofres da entidade. Ele lembrou ainda que, em 2020, a Prefeitura de Jaú recebeu recurso de cerca de R$ 11 milhões do Ministério da Saúde e não repassou nenhum real à Santa Casa.

"O hospital recebeu, até agora, cerca de R$ 5 milhões para tratamento da Covid, sendo R$ 2,7 milhões do Ministério da Saúde e R$ 2,3 milhões em emendas parlamentares", revela. "O hospital está sobrecarregado, o dinheiro está curto, tem os 200 mil habitantes das cidades da região que, na urgência, vêm para a Santa Casa, e não recebemos contribuições desses municípios. A Santa Casa está sobrevivendo, atendendo 80% do SUS, mas fica cada vez mais difícil".

Ler matéria completa