Bauru

Regional

Avaí: Centro de Formação de Atletas Indígenas retoma as suas atividades

Aulas de futebol, suspensas em razão da pandemia da Covid-19, voltaram a ser realizadas e ganharam reforço de palestras

por Lilian Grasiela

14/10/2021 - 05h00

Fotos: Chicão Terena/Divulgação

Professor Mário Giglio conversa com alunos do Centro de Formação de Atletas Indígenas

Avaí - O 1º Centro de Formação de Atletas Indígenas do Estado de São Paulo, localizado na aldeia Kopenoti, na Terra Indígena de Araribá, em Avaí, que estava com as atividades suspensas devido à pandemia da Covid-19, retomou as aulas de futebol para crianças e adolescentes. Além da prática esportiva, agora, os participantes também têm acesso a palestras com foco no meio ambiente e na saúde. Uma reinauguração simbólica está programada para 11 de dezembro.

O projeto é uma iniciativa do Instituto de Defesa do Meio Ambiente Indígena (IDMAI) e conta com parceria da Prefeitura de Avaí, que disponibiliza os lanches para os alunos, e de voluntárias da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), que ministram as palestras. Os professores são Mário Giglio (Marinho), Cassiano Sebastião e Lindomar Pio.

O presidente da IDMAI, o cacique Chicão Terena, conta que o Centro iniciou suas atividades pouco antes do início da pandemia, mas teve que suspender as aulas. "Depois de termos vacinado as comunidades da Terra Indígena de Araribá, a gente deu início novamente a esse projeto aqui na aldeia", diz.

Os alunos, de acordo com ele, moram na Terra de Araribá e têm entre 9 e 17 anos. "Foi um projeto que começou pequeno. Nós estávamos com doze alunos participando e, hoje, estamos com uma média de quase 60 crianças que participam desse trabalho", declara. "São treinamentos físicos para atletas na área de futebol, três vezes por semana, sexta, sábado e domingo, com duração de duas horas por treino. E a gente está integrando esse trabalho com um trabalho social para fazer atividades voltadas para a educação ambiental e a saúde. A gente tem feito palestras com as crianças envolvendo a equipe de saúde indígena da aldeia Kopenoti". As palestras, que abordam assuntos variados, duram cerca de 20 minutos e ocorrem sempre após os treinos físicos.

FORMAÇÃO

O cacique Chicão Terena explica que essa integração entre o esporte e as palestras busca uma formação completa das crianças e dos adolescentes.

"A importância desse projeto para a comunidade indígena é no sentido de a gente formar jovens cidadãos, a futura geração da aldeia, com foco no esporte, que é o futebol, mas também com princípios, evitando que eles se percam com uso de drogas e bebidas", afirma.

Ler matéria completa

×