Bauru

Regional

Búfalos: funcionários são presos e vão responder por associação criminosa

Fazendeiro acusado de ordenar que maus-tratos continuassem também recebeu novo pedido prisão, mas não foi localizado

por Marcele Tonelli

23/11/2021 - 05h00

Polícia Civil/ Divulgação

Animais foram encontrados novamente sem água nem comida na fazenda, neste domingo (21)

Brotas - O caso de maus-tratos envolvendo búfalos em Brotas teve novo episódio neste fim de semana. Após receber várias denúncias por parte de ONGs, a Polícia Civil esteve na fazenda Água Sumida, no domingo (21), e prendeu em flagrante o administrador da fazenda, de 46 anos, e um policial aposentado, de 57 anos, que prestava serviço de segurança no local após constatar que os animais sob a responsabilidade da propriedade estavam, novamente, sem água e comida e que eles agiriam de forma a impedir a entrada de voluntários para cuidados com os animais debilitados.

Acusado de ordenar aos funcionários novos maus-tratos aos animais, o dono da fazenda, Luiz Augusto Pinheiro de Souza, de 61 anos, recebeu nova ordem de prisão em flagrante, mas não foi localizado até esta segunda (22). Ele e os dois funcionários responderão por crime de abuso a animais e associação criminosa. Na tarde desta segunda (22), em audiência de custódia, os dois funcionários foram liberados para responder em liberdade.

No novo documento anexado ao inquérito, o delegado Douglas Brandão do Amaral considera que o administrador da fazenda, ao notar a chegada da polícia no local, no último domingo (21), rapidamente acionou a água do poço para o bebedouro de aproximadamente 800 búfalos. "Imediatamente, os búfalos que escutaram o barulho da água passaram a ir a sua direção. Os pequenos tentando entrar em meio aos mais pesados para conseguirem saciar a sede, colocaram em risco a própria vida", citou o delegado.

Foi constatado ainda que, em outra área, mais 100 búfalos tinham água à disposição, porém nenhum tipo de pastagem, já apresentando sinais de fraqueza. O documento aponta que os voluntários que atuavam no socorro aos animais debilitados tiveram a entrada e permanência dificultadas, precisando se alojar em uma estrada vicinal. O uso de tratores para cuidado aos animais no hospital de campanha montado por lá foi negado, inclusive, a energia elétrica para manter refrigerados os medicamentos.

RELEMBRE O CASO

Conforme o JC noticiou, o fazendeiro já foi multado em R$ 2,1 milhões e chegou a ser preso, no início deste mês, por maus-tratos a mais de 700 animais no local, mas pagou fiança de R$ 10 mil e foi liberado. Na ocasião, os búfalos de origem asiática, a maioria fêmeas prenhas e bezerros, foram flagrados pela Polícia Ambiental abandonados à própria sorte, sem água ou qualquer tipo de comida, em uma área sem pasto na fazenda. Além disso, outros 22 animais estavam mortos em uma vala. A fiscalização ocorreu em 6 de novembro e o inquérito foi instaurado em 8 de novembro. Voluntários da ONG ARA e Arca da Fé, além de representantes de outras entidades, atuam com ajuda de doações desde então, após autorização da Justiça, que previa que o fazendeiro deveria ajudá-los no socorro aos animais.

Ocorre que, na quinta-feira (18), diante de outra decisão judicial, a entrada dos voluntários passou a ser dificultada por funcionários da fazenda, após a tutela provisória dos 1.056 búfalos ser devolvida para o fazendeiro. Em nova decisão, após os pedidos de prisões, a ONG ARA foi considerada fiel depositária de todos os animais da fazenda, inclusive de 72 equinos. O JC tentou contato com o proprietário, mas ele não atendeu as ligações.

Caso ganha repercussão nacional

Instagram/Reprodução

Luisa Mell esteve em Brotas,nesta segunda-feira (22), para acompanhar de perto caso dos búfalos

O caso ganhou repercussão nacional nos últimos dias, artistas como Luana Piovani, Luísa Mell e Xuxa Meneghell se manifestaram em suas redes sociais em apoio aos búfalos de Brotas, que virou uma das hashtags mais comentadas nos últimos dias.

Nesta segunda (22), inclusive, Luisa Mell esteve no local e gravou vários vídeos em seu story, no Instagram, mostrando a situação dos animais e a rotina dos cuidadores voluntários.

Conhecido por defender a causa animal, o deputado estadual e delegado paulistano Bruno Lima também esteve na fazenda acompanhado por policiais locais.

Ler matéria completa

×