Bauru

Saúde

Aprenda a aliviar ansiedade sozinho

Crise pode acontecer na hora em que ninguém está por perto

28/11/2021 - 05h00

Já não é mais segredo que a pandemia e as dificuldades desencadeadas pela Covid-19 elevaram os níveis de estresse e ansiedade de muita gente. Mas, quando a pessoa está sozinha, essas crises podem ser ainda mais fortes. Elas disparam sintomas como suor frio, palpitações, mãos trêmulas, falta de ar, tontura e tensão exacerbada. Como agir, então, diante desses sinais quando não há ninguém por perto?

Camila Magalhães Silveira, psiquiatra e pesquisadora do Núcleo de Epidemiologia Psiquiátrica do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, em São Paulo, destaca que, ao sentir esses sintomas pela primeira vez, o recomendado é pedir um atendimento médico urgente. "A pessoa não vai saber diferenciar uma crise de ansiedade de um ataque cardíaco ou de labirintite. Nesses casos, respire profundamente e depois procure um serviço de emergência para avaliar o quadro clínico", diz.

Se essas crises já ocorreram outras vezes - e o indivíduo recebeu o diagnóstico de ansiedade -, é fundamental seguir as orientações passadas pelos profissionais anteriormente e entender que os sinais desagradáveis tendem a diminuir em alguns minutos. "Mesmo sendo assustador, esse momento vai passar. Exercícios de respiração ajudam a acelerar esse processo", afirma Camila.

O ideal é buscar orientação profissional, inclusive para saber como realizar esses exercícios. "Na crise, a pessoa deve iniciar uma respiração diafragmática lenta, com várias repetições. Ela precisa sentir o ar entrando e saindo", explica Janaína Leão, especialista em neuropsicologia pelo Centro de Estudos em Psicologia da Saúde.

Já o uso de medicamentos sem prescrição é contraindicado. Até o remédio fazer efeito, a crise já passou, alerta Luiz Dieckmann, psiquiatra e diretor do Instituto Brasileiro de Farmacologia Prática (BIPP). O tratamento de distúrbios psiquiátricos - com ou sem medicamentos - geralmente promove melhorias a médio e longo prazo, reduzindo a quantidade e a intensidade de episódios desagradáveis. Mais um motivo para buscar ajuda ao sentir sintomas sugestivos pela primeira vez. As informações são da Agência Einstein.

Ler matéria completa

×