Bauru e grande região

Articulistas

Simbolismo do final e do início de ano

por Arnaldo Pinzan

15/01/2020 - 06h00

A festa cristã do Natal, que comemoramos recentemente, mais o Ano Novo apresentam uma oportunidade para reflexões e avaliações do nosso modo de vida. Depois de cálculos matemáticos, alicerçados em conhecimentos de astrofísica, os estudiosos chegaram à data de 25 de dezembro para sugerir que o nascimento de Jesus coincidisse com um período de luz ímpar. E Cristo é a luz do mundo. No período do Advento, comemorado em 4 finais de semana que antecedem o Natal, as leituras bíblicas selecionadas fazem referência às anunciações pelos profetas desse importante nascimento, além de mencionar a origem dos pais do Salvador em sua divindade.

Nascido sem pecado pela concepção da pura Virgem Maria e pela aceitação inconteste de seu esposo José, acreditando na sua relevância desse nascimento, nos é contado como se deu esse parto, numa noite fria, numa estrebaria, dando-nos a dimensão da humildade de receber o filho de Deus em nosso planeta azul. Sua história na infância inicia-se na fuga para o deserto, dando susto aos seus pais e já ensinando nas sinagogas sobre os caminhos que levam ao Pai Eterno. Sua preferência pelos marginalizados e sua trajetória até a morte na cruz custou muito sofrimento, narrados durante a Paixão de Cristo na Páscoa.

Qual ser humano aceita ser humilde nos dias de hoje? Prevalece a procura do estrelato, do reconhecimento mundial, da notoriedade, do "ser famoso". Quem está preocupado com a preferência pelos mais necessitados? Diariamente, pelos vários meios de comunicação, vemos hospitais superlotados e sem os remédios necessários, porque foram desviados no emaranhado esquema entre o pagamento dos impostos e seu verdadeiro destino final, enchendo bolsos de pessoas desprovidas de consciência.

Vemos tristemente que alguns daqueles dotados do dom da medicina e outras congêneres estão despreocupados em seguir o juramento feito na formatura. E a quantidade de entidades beneficentes implorando nossa ajuda, para prosseguir na tarefa de ajudar os necessitados... Temos até que escolher algumas delas, pois não podemos atender a todas que nos procuram. O comércio em outubro já inicia suas chamadas para o Natal, fazendo ofertas para a troca de presentes. Está errado? Não, pois também os reis magos presentearam o nascituro. Para as crianças de hoje, Natal é a chegada do Papai Noel cheio de presentes para alguns e sem nada para outros.

Chamada de Sagrada Família, quantos estão preocupados em sacralidade da família, hoje? Até o conceito de família tem novas interpretações. O perdão e a misericórdia, que Cristo tanto pregou, foram duramente atingidos por essa radicalização irracional, desprovida de qualquer vontade de exercê-los, que hoje separam as famílias.

Quantas famílias destruídas pelas drogas, álcool, acidentes de trânsito, assassinatos muitas vezes por motivos torpes? Somos todos da família Humana, onde não são colocados limites de cor, sexo e religião. Por que não nos esforçarmos para que um novo ser humano, com a pureza das crianças, possa renascer em cada 25 de dezembro e no 1 de janeiro, tendo a consciência de que nada trouxemos e que nada levaremos quando da nossa passagem por este mundo. Feliz 2020!

Ler matéria completa