Bauru e grande região

Articulistas

Umbigo

por Roberto Magalhães

21/03/2020 - 06h00

"Desgraçado é aquele que nunca buscou deixar ninguém feliz a sua volta. Uma vida desperdiçada". Que coisa boa disse o Pondé! Ele mesmo, o filósofo Luiz Felipe Pondé. Dá até pra fazer o raciocínio contrário. Feliz é aquele que sempre buscou deixar alguém feliz a sua volta. Carecas estamos de saber que essa autofagia narcísica de nos acharmos um pudim não nos leva a nada e também nada nos melhora a condição humana. Só nos torna ainda mais ridículos por exibirmos cara tão melada. Carecas estamos de saber que a alegria da alma depende basicamente da direção em que transitamos. Daí, a importância de sairmos da bolha individualista e caminharmos na direção do outro para incluí-lo e acolhê-lo. Se assim fizermos, algo transformador nos acontecerá e uma energia poderosa passará a dar sentido à nossa vida.

Dar sentido à vida, eis a questão. Novamente, visita-nos a ideia de saber que caminho de vida escolhemos. Oportuna a lucidez de Frei Betto: "Nada faz mais feliz uma pessoa do que o sentido que imprime à própria vida, seja em laboratório pesquisando células de formigas, seja como militante de um partido político que busca a transformação da sociedade". Bem isso, a vida só tem sentido quando comprometida com a felicidade alheia. Dos mais poderosos aos mais humildes, todos podemos cumprir igual missão. Não importa se magistrado, pedreiro, empresário, varredor de rua, professor... As mãos que buscam o bem comum são sempre as mesmas e, um detalhe, sempre limpas. Ninguém pode ser feliz sozinho, porque sozinho ninguém se basta. A felicidade, ainda que muitos a pensem como penduricalho do próprio umbigo, tem dimensão social e política.

Difícil engolir esse modelo de exclusão social, cuja finalidade última não é o bem estar de todos, mas capitalizar a ganância de poucos. Seres insensíveis, pouco lhes importam as crianças desnutridas, a miséria gritante, a fome doméstica, as políticas predatórias que degradam o homem e a natureza. Hoje, a mensagem descarada e sonora é a de que cada um seja feliz ao seu modo. Para tanto, vale tudo. Importam os fins, nunca os meios. Salve-se quem puder! Cada um por si e Deus longe de todos. Haja tarja preta.

Ler matéria completa