Bauru e grande região

Articulistas

Anne Frank e o Covid-19

por Clarete Bomfim

27/03/2020 - 06h00

Estou confinada na minha casa há apenas quatro dias e já entendo um pouco do que sentia Anne Frank em seu esconderijo na Holanda. Em 1942 teve que se esconder dos nazistas, juntamente com sua família e mais quatro amigos, em um anexo da fábrica onde seu pai, Otto Frank, trabalhava. Mesmo tendo nascido na Alemanha, sua família era vista como inimiga dos nazistas, pelo simples fato de serem judeus.

Ontem me peguei pensando em Anne quando iniciei meu diário da quarentena. Não posso comparar meus sentimentos ao dela por várias razões - ela tinha 13 anos, cheia de sonhos a realizar e muitas aventuras a viver - eu tenho 56 anos, já realizei muitos sonhos, constitui família e vivi muitas aventuras (apesar de ter alguns sonhos que ainda gostaria de realizar...).

Anne não tinha TV, celular, nem internet que a conectasse com o mundo exterior. As noticias chegavam por intermédio de quatro funcionários da fábrica, que eram da confiança de seu pai. Uma delas era Miep Gies que também trazia comida. Eu tenho à minha disposição todos os meios de comunicação que a tecnologia pode dispor. Além disso minha despensa está abastecida e posso ir ao mercado quando quiser, tomando os devidos cuidados conforme as orientações que recebemos o tempo todo pelos noticiários.

Não estou confinada em um pequeno espaço, precário e sem conforto como Anne. Ao contrário, tenho o privilégio de morar em uma casa confortável, com um belo e amplo quintal, onde posso circular à vontade sem me preocupar em fazer silêncio absoluto para não chamar a atenção das autoridades.

Então, o que me fez lembrar do cativeiro onde a jovem Anne viveu por 03 anos? Acho que foi o sentimento da privação compulsória da liberdade, da impotência diante de uma realidade que impacta nossos relacionamentos e pode nos lançar em uma crise econômica de difícil recuperação. Também o medo que a morte nos encontre, por um tiro, uma bomba ou um vírus.

Só nos resta a fé em Deus. Agora o tempo é nosso aliado e eu rezo todos os dias para que este triste momento de crise tenha curta duração. Que tenhamos um final mais feliz do que Anne e sua família tiveram, juntamente com milhões de pessoas que pereceram no Holocausto. Oremos!

Ler matéria completa