Bauru e grande região

 
Articulistas

Eita saudade...

por Rosana Poli

16/10/2020 - 05h00

2020 com certeza será o ano da saudade. Saudade de tudo que fomos, fizemos, com quem convivíamos… Saudade de ser criança de novo… de renascer para um mundo novo... Saudade da vida normal… Saudade de viver sem medo, sem máscaras, sem álcool em gel... Saudade de abraçar...de beijar ... Na verdade, a saudade faz parte da vida e do nosso coração e, com certeza, será eleita a palavra do ano. Aprendemos com a fé que a saudade é quase sempre a separação da esperança do reencontro com alguém ou com algo...

Imaginem quanta saudade está sendo sentida por conta dessa pandemia que arrancou grande parte de nossas vidas e pessoas tão queridas. Esse tipo de saudade é de dor… Mas,dizem que com o passar do tempo vai se transformando em saudade de amor. A saudade é um sentimento tão normal que não existe um só ser que não o sinta. No final das contas, tem saudade nossa espalhada por todo lugar!

A gente sabe que existem várias formas de sentir saudade: dos familiares, dos amigos, dos amores, de momentos, de situações...Todas têm algo em comum: nos fazem sofrer. Mas existe também o "copo cheio" da saudade. Ela nos traz lembranças de momentos inesquecíveis e a certeza de que temos uma história. Só deixa saudade aquilo que foi incrivelmente bom.

Eu sinto muita saudade (e ela ainda dói) do meu pai. Não quero aqui romantizar essa dor da saudade, mas é importante lembrarmos que somos vulneráveis, sim! Na verdade, estamos constantemente nos equilibrando na corda bamba das nossas emoções e a saudade é só uma delas.

Por isso é melhor sentir saudade e chorar do que olhar para trás e nada sentir. Até porque, a passagem nessa vida é rápida! Um dia a gente também vai embora e a saudade fica...

Como diz Cecília Meireles, "De que são feitos os nossos dias? - De pequenos desejos, vagarosas saudades e silenciosas lembranças". Eita saudade que sinto!

A autora é jornalista, colabora com Opinião.

Ler matéria completa