Bauru e grande região

 
Articulistas

Hospital Estadual de Bauru completa 18 anos em meio aos desafios da pandemia

por Deborah Maciel Cavalcanti Rosa

11/11/2020 - 04h58

Pode-se dizer que a maioridade chega para o Hospital Estadual de Bauru (HEB) "Arnaldo Prado Curvêllo" em meio ao ápice do maior desafio de saúde pública já enfrentado pela humanidade. Tamanha responsabilidade e o fardo pesado são superados a cada manhã que se inicia, por cada um dos profissionais de saúde que trabalham nesta unidade estadual de saúde sob gestão da Fundação para o Desenvolvimento Médico e Hospitalar (Famesp). Sim, o HEB chega ao 18º aniversário no dia de hoje, 11 de novembro, com as marcas de um ano estarrecedor e com cicatrizes de verdadeiras batalhas. E as velas não serão sopradas, não apenas por ser esta uma medida sanitária de suma importância do novo normal, mas por falta de fôlego daqueles que nem pararam para respirar, pois tiveram que trabalhar muito mais, dobrando turnos, e pelo oxigênio que faltou a muitos dos nossos pacientes, acometidos pela Covid-19, ou também pelo medo que literalmente se abateu na população mundial. Mas se há algo que pode ser comemorado neste aniversário são os muitos pacientes que conseguiram vencer a doença, recebendo o tratamento adequado e seguro, na medida certa, e com muito carinho das equipes.

Logo nos primeiros meses deste ano, a diretoria do HEB, com absoluto respaldo da Famesp, reuniu seus gestores e constituiu um Comitê de Enfrentamento da Covid-19 da unidade, por ser referência na região do Departamento Regional de Saúde (DRS-VI) de Bauru. A incumbência era estabelecer um plano de estratégico minucioso para enfrentar o novo coronavírus, e executá-lo, por meio de suas fases de implantação, aplicando transformações e adequações necessárias para que a unidade estadual de saúde estivesse pronta para enfrentar esse inimigo desconhecido.

Decorridos 10 meses do início da pandemia, obtivemos êxito nas condutas e decisões, que foram muito assertivas. Quando a pandemia ainda avançava a passos lentos para nossa região, as notícias que vinham do exterior e da capital do Estado de São Paulo eram um prenúncio de dias difíceis dentro do Hospital Estadual. Os decretos estaduais e municipais foram conduzindo as ações de toda uma sociedade com base na segurança sanitária. E o hospital não parou em momento algum, graças aos seus profissionais que puseram em prática, de forma gradativa e segura, as ações propostas pelos gestores. Confiaram em seus líderes e assim, puderam prestar uma assistência qualificada.

E quando o contato entre pacientes e familiares ficou distante fisicamente, pelas restrições do distanciamento social e riscos, a criatividade e o empenho da equipe multiprofissional do HEB entraram em ação. As videochamadas se tornaram fundamentais e foi um verdadeiro alento para a aproximação entre os entes queridos que, em muitos casos, estiveram afastados por semanas. Algumas despedidas foram inevitáveis, apesar do máximo empenho e de limites superados pelo corpo clínico e de enfermagem, mas mesmo num momento tão difícil, a chamada por vídeo foi essencial para a comunicação. Tivemos boas surpresas antecipadas neste aniversário, como os boletins escritos por médicos exclusivamente para os familiares, com palavras menos técnicas e mais carinhosas, para quem esperava ansiosamente por notícias. Renderam elogios e agradecimentos espontâneos no Serviço de Atendimento aos Usuário (SAU) do hospital. As portas não estão abertas para uma celebração, mas a comunicação teve um papel louvável ao transmitir, durante o ano todo, e com lucidez, as transformações internas para enfrentamento do Coronavírus e atualizações de protocolos. A população teve informação precisa sobre os fluxos de atendimento, direto da fonte, com especialistas que sabem da importância da transparência e acompanhavam diariamente as atualizações no tratamento da Covid-19.

Mas continuar é preciso. A única certeza é de que neste ano de 2020 o hospital que assumiu demandas tão importantes desde o seu nascimento, foi capaz de honrar mais uma referência que lhe foi confiada pela Secretaria de Estado da Saúde. A história ainda está sendo escrita neste momento, mas num futuro a perder de vista, as crianças de Bauru e região, quando avistarem o Hospital Estadual de Bauru, passeando pelas calçadas do entorno ou trafegando com os pais de carro nos arredores, certamente poderão contemplar a instituição ouvindo belas narrativas. Saberão que, além daquele grande prédio, repleto de profissionais e com seus 330 leitos prontos para salvar vidas, o HEB se tornou também o símbolo de heroísmo de uma geração que venceu a pandemia.

Parabéns HEB pelos seus 18 anos!

A autora é médica, diretora executiva do Hospital Estadual de Bauru “Arnaldo Prado Curvêllo”, sob gestão da Famesp.

Ler matéria completa