Bauru e grande região

Articulistas

Viver sob a tutela do Estado

por maria américa ferreira

23/01/2021 - 05h00

É disso que as pessoas precisam? Sempre viver sob a tutela do Estado (instituições que controlam e administram uma Nação)? Será que não é possível conciliar as individualidades com a vida em sociedade, cumprindo as regras da convivência entre seres da mesma espécie? Parece que não.

Se os governos determinam, ações é ditadura. Se não obriga a nada, é relapso. As pessoas passam a maior parte do tempo tentando obter benefícios em tudo ou criticando as ações dos outros. Elas querem emprego, querem liberdade, querem o direito de ir e vir, mas na hora de permitir tudo isso ao outro, aí a situação muda. É uma incoerência total entre o que se vive e o que se permite ao outro. Eu posso fazer o que eu bem entender. Mas o outro só pode fazer o que eu acho que lhe é permitido.

Que humanidade é essa? Eu posso, eu tenho, eu quero, eu faço, eu, eu, eu... Que pena! Tudo só funciona de acordo com o que cada um quer. Por exemplo: o ser sai de casa e não dá a mínima para o que acontece debaixo do seu nariz. Se está a pé, anda pelas ruas como se não houvesse mais ninguém no mundo. Aliás, essa é a principal característica do ser humano atual, pensar que só existe ele no mundo. A não ser, é claro, quando precisa de alguém para satisfazer um desejo. Se estiver de carro ou moto, também pensa que só existe ele. Respeitar regras de trânsito é só para os outros.

Como alguém que vive desrespeitando tudo pode exigir alguma coisa? Infelizmente, diante do que se apresenta, não seria exagero dizer que o ser humano não sabe mais a que veio. Evidente que não é geral, mas é uma proporção tão grande dos insatisfeitos com o mundo, que perderam a noção sobre o que realmente vale para a vida.

O tempo é de cada um fazer o que quer. O sujeito do boteco coloca o som para o mundo ouvir. O ser da moto acelera até estourar o ouvido do outro. O indivíduo anda comendo na rua, e joga os restos e objetos como se tudo fosse um lixão. As pessoas parecem robôs se movimentando e nem percebem que tem um mundo à sua volta. Mas exigem. Dos governos, reclamam de tudo, gritam quando são obrigados a obedecer leis e gritam quando não são. Lamentável, mas humanidade está indo pelo ralo.

A autora é jornalista.

Ler matéria completa