Bauru

Articulistas

Receita de um mundo melhor

por Gervásio Antonio Consolaro

08/09/2021 - 05h00

Nem tudo está perdido, enquanto houver esperança de esperançar, como diz o filósofo Mário Cortella, devemos fazer de tudo para deixar nosso mundo melhor, até porque não estaríamos sendo inteligentes, deixando-nos ser dominados pelo egoísmo, avareza, pela concorrência selvagem, olhando só para o próprio umbigo, correndo o risco de matar a nossa galinha de ovos de ouro.

Não existe felicidade individual sem contribuir para a felicidade de todos, caindo no vazio existencial. Nesta esteira, a ONU apresentou 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, no que fazemos um resumo abaixo: ESG: três letras que vieram para ficar. Muita gente até ouviu falar de ESG, mas tem dúvidas sobre a real importância da sigla composta de iniciais, em inglês, de Ambiental, Social e Governança (ASG), os três pilares devem guiar as políticas de sustentabilidade das corporações e dos governos.

Em 2004, foi criado o Pacto Global - maior ação de sustentabilidade corporativa do mundo, com mais de 16 mil membros em 160 países. Com o lema "Ganha quem se importa" em inglês Who Cares Win. Difundido muito na Europa e nos Estados Unidos, no ano passado o conceito chegou com força no Brasil, em meio à pandemia.

Na verdade, consiste na Agenda 2030 uma Declaração de, 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) que é uma plano de ação que busca fortalecer a paz universal e erradicar a pobreza em todas as suas formas e dimensões.

O lema do projeto é: Ninguém pode ficar fora". Nesta mesma linha, há seis anos, as Nações Unidas aprovaram por unanimidade o documento "Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável", com base nos cinco eixos de atuação: Paz, Pessoas, Planeta, Prosperidade e Parcerias.

Paz: Promover sociedades pacíficas, justas e inclusivas que estão livres do medo e da violência. Não pode haver desenvolvimento sustentável sem paz e não há paz sem desenvolvimento sustentável.

Pessoas: Acabar com a pobreza e a fome, em todas as suas formas e dimensões, e garantir que todos os seres humanos possam realizar o seu potencial em dignidade e igualdade, em um ambiente saudável.

Planeta: Proteger om planeta da degradação, sobretudo por meio do consumo e da produção sustentáveis, da gestão sustentável dos seus recursos naturais e tomando medidas urgentes sobre a mudança climática, para que ele possa suportar as necessidades das gerações presentes e futuras.

Prosperidade: Assegurar que todos os seres humanos possam desfrutar de uma vida próspera e de plena realização pessoal, e que o progresso econômico, social e tecnológico ocorra em harmonia com a natureza.

Parcerias: Mobilizar os meios necessários para implementar esta Agenda por meio de uma Parceira Global para o Desenvolvimento Sustentável revitalizada com base num espirito de solidariedade global reforçada, concentrada em especial nas necessidades dos mais pobres e mais vulneráveis e com a participação de todos os países, todas as partes interessadas e todas as pessoas.

Por fim, e pelo bem, é sabido que 71% das empresas brasileiras integram o Pacto Global. O Brasil é o 61° no cumprimento dos ODS, de 165 nações avaliadas.

O autor é diretor regional da Afresp, ex-delegado Regional Tributário de Araçatuba, ex-agente fiscal de rendas, administrador, contador e bacharel em Direito.

Ler matéria completa

×