Bauru

Articulistas

A culpa não é do touro

por Rogério Araújo

24/11/2021 - 05h00

Os protestos recentes contra a estátua de um touro colocada em frente à B3, no centro de São Paulo, tiveram grande repercussão nacional. Em um momento em que o preço da carne bovina está nas alturas, quase a preço de ouro, expor uma estátua de um bovino banhado a ouro causou certa revolta em alguns segmentos da sociedade.

Criado sem a pretensão de ser cópia do famoso touro de Nova Iorque, segundo o autor da obra, a intenção era trazer mais turistas para a região onde foi instalado. E conseguiu, atraindo bastante curiosos que gostariam de ver a obra da discórdia, melhorando o comércio na região.

Mas, ao contrário do que pode parecer, a estátua dourada não significa uma afronta à situação de extrema dificuldade financeira em que se encontram milhões de brasileiros. Segundo o autor, a obra quer trazer "força e coragem", que é o que mais precisamos no momento.

Seguindo uma ótica de mercado, uma bolsa de valores forte traz esperança de dias melhores, pois empresas fortes só existem em uma economia forte. E isso traz geração de emprego e renda para as famílias. É só através da geração de empregos que um país consegue superar suas crises. Não há outra saída.

Bolsa em alta quer dizer que mais dinheiro para investimento está entrando nos cofres das empresas, e isso refletirá na expansão dos negócios, trazendo consequências benéficas para toda a sociedade.

O protesto é válido, no sentido de chamar a atenção das autoridades para o momento urgentíssimo da economia, onde há mais preocupação com as próximas eleições do que com a tomada de medidas práticas para a retomada do crescimento.

Mas é necessário deixar claro que as empresas - representadas na B3 através de suas ações - são geradoras da solução e não problema. Infelizmente, a culpa não é do touro.

Se fosse, seria simples de resolver.

O autor é gestor e consultor financeiro, especialista em investimentos, fundador da Roar Educacional Consultoria e líder educacional da corretora de investimentos Vitreo.

Ler matéria completa

×