Bauru

Articulistas

Gastos do trabalhador na ponta do lápis

por Gregório José

30/11/2021 - 05h00

Muitas pessoas, incluindo eu, não coloca na ponta do lápis, como diriam no passado ao mais antigos, os gastos mensais e, principalmente, os anuais. Afinal, vivemos no dia a dia uma corrida desenfreada em busca de um salário para manter as contas correntes do mês, alimentar, usar transporte público ou gastos com combustíveis que nem nos damos conta do quando desperdiçamos com contas banais.

Vejamos um trabalhador que sobrevive com um salário mínimo de R$ 1.100,00. Se der sorte, pode até que ganhe aí uns R$ 300,00 a mais. Tudo bem, vamos aos R$ 1.400. Tirarei o cifrão para ficar mais fácil a leitura. Energia ele gasta cerca de 150; água e esgoto 120; celular num pacote básico 79,90; de transporte 200; internet para casa mais 109; se pagar aluguel de uns 550; TV a cabo ou paga mais 79,90. Não fecha. Não sobrará muito do pagamento. R$ 1.288,90. Isso mesmo!

Agora, já parou para ver que, destes gastos mensais, alguns poderiam deixar de existir? Não dá. Para ter um pouquinho de tranquilidade, o mínimo deveria ser pelo menos o dobro.

Viu que nem os gastos mensais de alimentação e vestuário foram inseridos? Não tem como, ou se entra no cartão de crédito todo mês ou não se vive no Brasil. Aí tem que ter uma família para "ajudar" nestas despesas. Mas todos necessariamente precisarão trabalhar. Ir a cinema, shopping, restaurante ou passear, nem pensar. Fora de cogitação. Por esta razão é que a diferença social aumenta a cada dia e joga muitas famílias para uma categoria a menos, um degrau abaixo, nunca acima.

Nesta simples conta não pôde ser colocado o gasto com ensino superior ou curso técnico. Não dá. Se preparar para algo melhor vai exigir sacrifício, mas cortar onde no pequeno salário mínimo? Não sou economista, mas neste momento em que o País sobrevive à crise de fechamento de empresas, eliminação de postos de trabalho, aumento dos trabalhadores migrando para aplicativos de transporte, mototaxistas (onde foi implantado) é sonhar com algo melhor no futuro.

Só não podemos indicar onde ele está.

O autor é Jornalista/Radialista/Filósofo.

Ler matéria completa

×