Bauru

Articulistas

Ano Novo com esperança e responsabilidade!

por Valmor Bolan

07/01/2022 - 05h00

O ano de 2022 se inicia com muitos desafios. Ano de eleição, ano do bicentenário da independência do Brasil, ano do centenário da Semana de Arte Moderna. A pandemia continua, no mundo todo, a trazer preocupações, novas variantes, questionamentos sobre as medidas adotadas, também no campo da Educação urge o retorno das aulas, pois já foram dois anos de transtornos, em todos os aspectos. vacina infantil já, antes do início das aulas. E tudo isso requer não apenas o debate, mas soluções de muitos novos problemas, que desafiam a todos, não só em nosso País, mas em nível global. Mesmo assim, precisamos começar o Ano Novo com esperança, sabendo que é possível respostas a todos os desafios existentes, em todos os níveis, desde a vida pessoal, também na sociedade e em todas as dimensões da vida humana.

Precisamos construir novas possibilidades, com diálogo, escuta, estudo da situação, para que saibamos distinguir entre muita informação e desinformação (circulando principalmente pela internet). Não é fácil, em meio a tudo isso, encontrar dados com precisão, que permitam melhores encaminhamentos, por isso é preciso estarmos atentos, evitando precipitações de análises. Também há muitas boas possibilidades, favorecidas pelas novas tecnologias disponíveis, que dão mais celeridade em contatos e operacionalidades.

Em artigo publicado no Correio Braziliense, "Balanço de 2021", Maria Paula faz quatro perguntas para uma avaliação: "1) o que fiz de relevante esse ano? 2) O que poderia ter feito mais e melhor? 3) O que não deveria ter feito? O que fiz por não ter conseguido fazer diferente, mas, depois de refletir sobre, reformulei, aprimorei e me aprontei para fazer melhor de uma próxima vez?". E cita trecho do livro "Um Novo Mundo", de Eckhart Tolle: "Antes de descobrir o que é melhor para si ao nível exterior, antes de saber o que funciona consigo e o que é compatível com a consciência que está a despertar, pode ser necessário descobrir o que não é bom para si, o que já não funciona e o que é incompatível com o seu propósito interior".

Daí a importância de recuperarmos o bom senso, princípios e valores morais que nos ajudam a melhor conviver em sociedade, a ter respeito e amor para com o próximo, a buscar melhorar como pessoas, para realmente vivermos bem. Nesse sentido, temos que estar em constante vigilância, para que possamos aprender com tudo o que está a nossa volta, a cada dia, com as coisas simples do cotidiano, com as pessoas que nos cercam, para que desse aprendizado consigamos dar o melhor de nós no que fazemos.

O ano que se inicia deve ser motivo de nova disposição para que superemos os atuais desafios, buscando primeiramente ver o que há de positivo em tudo o que acontece, pois há sempre um aprendizado novo. Temos então que saber aproveitar o que há disponível para que saibamos agregar o que há de melhor e trabalhar por uma realidade mais criativa e solidária. É a partir dessa disposição que conseguiremos dar um sentido novo em nossas vidas, preservando o essencial. E assim contribuir para que façamos de 2022 um ano realmente promissor. Há muito o que fazer e colaborar, cada um com o que está ao seu alcance. O mundo pode se tornar melhor a partir do que fazemos, cada um fazendo a sua parte. Esperamos assim que 2022 propicie essa disposição e traga bons frutos, na vida de cada um, com a graça de Deus.

Feliz Ano Novo para todos!

O autor é doutor em Sociologia.

Ler matéria completa

×