Bauru

Articulistas

Dia das Mães - como tudo começou

por Arsenio Sales Peres

08/05/2022 - 05h00

O que se sabe é que o segundo domingo de maio, todos os anos, sistematicamente e rotineiramente, é a data que quase todo o mundo reserva para declararmos o amor às nossas mães. Como assim? Interessante nos atermos ao fato contraposto ao comércio que gerou o ato de homenagear as genitoras. Não foi pensado em uma ação de marketing para que lojistas se beneficiassem das vendas, haja vista que é praticamente uma obrigação dos filhos presentearem as mamães. Philip Kotler leciona que marketing é um processo tanto administrativo quanto social pelo qual as pessoas obtêm o que desejam e necessitam através da geração de desejo, oferta e troca de produtos de valor. Então, quem incorporou no calendário tal dia foi, sem dúvidas, autor da maior campanha de marketing já colocada em prática no mercado, são superlativas e só perdem para as vendas de Natal.

Mas, em verdade, o motivo foi bem outro, a homenageada causadora da ideia foi Ann Maria Reeves Jarvis, nascida em 1832, nos EUA, mãe de 12 filhos e destes somente 4 chegaram à vida adulta. À época, os nichos de saúde pública eram por demais precários e os óbitos se materializavam com uma simples diarreia. Anna Jarvis, filha da Ann, tomou a iniciativa de montar os chamados Mothers' Day Work Clubs em algumas cidades na tentativa de melhorar as condições de higiene e saúde das crianças e suas famílias e diminuir a mortalidade infantil. Ativista, Ann influenciou sua filha ao morrer. Entristecida com a falta de sua mãe, reuniu-se com algumas amigas e, na Igreja Presbiteriana em que seu pai era pastor, prestaram uma homenagem às mães no dia 12 de maio de 1907. Exato, coincidência ou não, era o segundo domingo de maio. Ano após ano, Anna, desenvolvia uma força-tarefa junto à população americana para que o Dia da Mães se transformasse em algo maiúsculo e fosse marcado como data nacional nos Estados Unidos. Deste modo, os americanos passariam a pensar e lembrar de forma mais intensa em suas mães. Foi então que em 1914 o presidente Woodrow Wilson oficializou o segundo domingo de maio como o Dia das Mães nos EUA, com "a expressão pública do nosso amor e referência às nossas mães". Porém, a saúde pública que havia sido o foco principal, perdeu fácil para o apelo comercial. Anna, até o fim da sua vida, em 1945, defendia e divulgava que o Dia das Mães fosse uma ocasião para demonstrações de afeto, amor e carinho as mães e não um mero motivo para dar presentes. Mas os comerciantes americanos, sem dúvidas, fizeram reafirmar o valor mercantil oportunizado.

No Brasil, em 1932, Vargas decretou o segundo domingo de maio como Dia da Mães. A proposta brasileira foi fruto do II Congresso Internacional Feminista, realizado em 1931, no Rio de Janeiro, donde uma moção com a mensagem final "reunidas por um alto ideal de confraternização feminina para trabalhar pelo progresso do país, desejam homenagear as mães - o maior fator de nosso aperfeiçoamento moral" foi enviada a Getúlio. Justa a homenagem, sem quaisquer arranhões, nossas mães vivas ou in memoriam são merecedoras! Mas a saúde pública, como não gera lucro comercial, foi sobrestada, reflitamos...

Feliz Dia das Mães!

O autor é professor Livre Docente da USP aposentado, associado 3, mestre e doutor.

 

Ler matéria completa

×