Bauru

Articulistas

É preciso motivar jovens e idosos para o voto consciente

por Valmor Bolan

11/05/2022 - 05h00

A cada eleição está crescendo o número de eleitores que optam por votar em branco e em nulo, além das abstenções, e os jovens estão dentre os que mais vem se desinteressando por política. Nas eleições de 2020, "os maiores porcentuais de ausência entre aqueles obrigados a votar foram registrados entre os eleitores de 18 a 29 anos", segundo a Veja. Tal fenômeno vem sendo observado por especialistas, que procuram entender o porquê do desinteresse dos jovens pela política. Os jovens deveriam ser os mais envolvidos, como já foram no começo da redemocratização. Neste ano em que teremos eleições para a Presidência da República, Câmara dos Deputados, Senado, Assembleias Legislativas e governos estaduais, campanhas têm sido feitas para atrair mais a atenção dos jovens e despertar o interesse pelo voto.

Segundo reportagem do G1, por Fábio Vasconcelos, durante as eleições de 2020, não são apenas os jovens, mas também os idosos demonstram ceticismo, sendo que "o percentual de abstenção (...) cresceu principalmente entre os eleitores jovens e entre os idosos. Segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a taxa geral do Brasil ficou em 23,1%, cerca de seis pontos percentuais acima do registrado há quatro anos. O recorte por faixa etária mostra, contudo, que os eleitores de 17 a 24 anos e aqueles de 65 a 84 anos apresentaram uma variação maior em pontos percentuais no comparativo com a abstenção de 2016. Com isso, eles lideram o aumento nos percentuais de abstenção". Esta constatação é preocupante e muitos buscam primeiramente compreender o porquê do fenômeno, para encontrar meios que propiciem a mudança dessa realidade. É importante que jovens e idosos tenham a consciência do quanto o voto deles é necessário, para que haja escolhas com melhor representatividade e que realmente permita que os parlamentares sejam representantes de todas as faixas etárias da sociedade.

O que precisamos incentivar é o voto consciente. O voto é a melhor defesa do cidadão numa democracia, pois ele tem o poder de escolher candidatos que realmente tenham compromisso com as melhorias sociais. A indiferença sinaliza debilidade da democracia, por isso há esforços do TSE por campanhas que motivem os jovens e idosos à participação. Esperamos que cada um, com sua responsabilidade, possa contribuir por um futuro melhor para todos, e isso começa escolhendo bem os candidatos e exercitando o voto consciente. A democracia só será cada vez mais sólida, se todos participarem conscientemente do processo de escolha dos nossos representantes. Não podemos ser omissos. Somos responsáveis pelo presente e futuro da nossa nação, por isso estejamos informados e participativos, buscando o melhor para a nossa Nação.

O autor é doutor em Sociologia.

Ler matéria completa

×