Bauru

Articulistas

Ser mãe é padecer... de cansaço?

por Paula Dione

26/05/2022 - 04h41

Há um ditado que afirma que "ser mãe é padecer no paraíso", remetendo às contraditórias emoções que seriam desencadeadas pelas vivências cotidianas da maternidade. Muito se falou e se fala sobre os mitos e fantasias ligados a essa experiência, e atualmente percebe-se um certo enfoque sobre algumas queixas frequentes entre mães, mais especificamente o cansaço. Chega-se ao ponto de cunhar o termo "mommy burnout", algo como "esgotamento da mamãe".

A queixa de cansaço certamente não é exclusividade da parcela maternal da população; no livro A sociedade do cansaço, o filósofo sul-coreano Byung-Chul Han argumenta que a lógica de produção e exigência constantes estaria levando as pessoas aos adoecimentos contemporâneos, ligados a hiperatividade e esgotamento.

Em relação ao burnout parental, a prevalência pode chegar a 20%, segundo artigo publicado este ano. Curiosamente, um estudo verificou que mães de um único filho podem apresentar mais sintomas de esgotamento que mães que possuem dois filhos ou mais, a depender da sua percepção de autoeficácia, muito ligada também ao padrão de cobranças externas.

Fato é que, depois que os filhos nascem, estar cansada adquire outros significados. Em texto de 2019, Monica Pessanha recorda que a noite perdida por opção em uma festa passa a ser a noite perdida em função do choro de uma criança necessitada; a sensação de autonomia ou falta dela que ocorrerá no processo irá influenciar indubitavelmente nossa relação com o cansaço. Afinal, o que pode ser mais exaustivo do que sempre colocar as necessidades de outra pessoa acima das suas?

Com as mudanças nos padrões de relacionamento interpessoal, a sociedade vem refletindo sobre os estigmas colocados sobre a mulher e a maternidade. Nesse processo, participam de maneira incontestável os profissionais da saúde mental, tanto nas terapias individuais quanto nas discussões coletivas, oferecendo escuta, suporte, oportunidade de mudança de comportamento e alívio.

A autora é psiquiatra na Holiste Psiquiatria.

Ler matéria completa

×