Bauru

Articulistas

Nova era da Eletrobrás

por Paulo Panossian

15/06/2022 - 05h00

Finalmente, e bom para o Brasil, a Eletrobrás tem tudo pronto para ser privatizada. Processo longo que começou no bom mandato tampão de Michel Temer, depois do impeachment da Dilma Rousseff.

Essa ex-estatal, que a gestão petista teve a insanidade de reduzir o preço da energia na canetada, acumulou prejuízo de R$ 30 bilhões. E Temer, em boa hora, nomeou para direção o experiente Wilson Ferreira Junior, para reformular a empresa.

A partir daí, com eficiente gestão, as ações da Eletrobrás, que em 2016, como exemplo, a preferencial valia R$ 15, na última quinta-feira, 9, valorizada, era cotada cada ação a R$ 42.

Ou seja, em 2016 o valor de mercado da empresa era de R$ 13 bilhões e na semana passada, R$ 67,5 bilhões. Valorização de mais de R$ 50 bilhões.

E o número de funcionários, mais para cabide de empregos em nome de políticos, era de 24.539, e agora, 13.803. Certamente, com essa privatização, a perspectiva é que o volume de investimentos na empresa vai crescer e melhores serviços serão prestados aos consumidores. E, como alívio, menos uma estatal para orgia dos políticos...

O autor é colaborador de Opinião.

Ler matéria completa

×