Bauru e grande região

 
Alberto Consolaro

Três curiosidades incríveis!

12/09/2020 - 09h53

Reprodução

Muitas doenças autoimunes são geradas dentro de nós pelos conflitos interiores

A individualidade do corpo é determinada pelo “sistema imunológico” formado pelas células da medula dentro dos ossos, do sangue e dos gânglios linfáticos. É ele que aceita, ou não, o meu corpo formado basicamente de proteínas e água e não é o meu corpo que o aceita. O foco são as proteínas e quando são diferentes daquelas do organismo, recebem o nome o apelido de “antígeno”. As principais alterações deste sistema são as doenças autoimunes formadas de quatro maneiras diferentes:

1.Por alguma causa como radiações solares, estresse e drogas alguma de nossas proteínas muda, teremos um ataque incessante do sistema imunológico contra ela promovendo inflamação, inchaço, edema dor e disfunções. Ou seja, o nosso sistema imunológico está se voltando contra nós mesmos, como ocorre no lúpus, líquen plano e pênfigos.

2.As vezes, as células do sistema imunológico (macrófagos e linfócitos) apresentam um defeito no reconhecimento de nossas proteínas, como se fosse um defeito no aparelho que lê o código de barra de um boleto. O defeito está no sistema imunológico que passa a atacar aquela proteína reconhecida indevidamente como diferente no corpo. É o sistema imunológico atuando contra o seu próprio hospedeiro.

3. O sistema imunológico e as proteínas estão superbem, mas entra no corpo uma bactéria ou vírus que tem proteínas diferentes das nossas e será atacada até ser eliminada. Mas, uma bactéria ou vírus pode ter proteína similar a uma proteína do corpo e ao atacá-la, o nosso sistema imune também ataca as partes que se parecem com ela. Isto se chama autoimunidade por reação cruzada como na artrite reumatoide e nas aftas bucais.

4. O último mecanismo que produz uma doença autoimune é quando se libera ou se expõe células e tecidos que, no corpo, devem ficar escondidos do sistema imunológico. Estas células e tecidos foram formados às escondidas ou depois que o sistema imunológico fez a inspeção final, como partes da tireoide, os espermatozoides nos testículos e os dentes. As proteínas destas partes são chamadas de “antígenos sequestrados”.

INTRIGANTES

1ª - A base primária do sistema imunológico é a medula dentro dos ossos que produz os componentes celulares do sangue. Quando o corpo recebe um transplante de medula, é a medula transplantada que tem que aceitar o corpo, e não o contrário como acontece com os demais tipos de transplantes. Quando a medula não aceita, se diz que houve uma reação “enxerto versus hospedeiro”, e tem que tentar de novo, infelizmente! Por analogia, pode-se dizer que é o presente rejeitando o presenteado.

2ª - É incrível, mas os espermatozoides não fazem parte do nosso corpo. Eles são produzidos anos após o nascimento, dentro dos túbulos enovelados nos testículos e às escondidas do sistema imunológico. Quando o vírus da caxumba se localiza nos testículos, os inflamam e túbulos perfurados expõem os espermatozoides, permitindo que sejam destruídos pelo sistema imunológico e venha a esterilidade. Se fechar os túbulos rapidamente, pode nada acontecer ou apenas uma esterilidade parcial.

3ª - Os dentes também não podem ficar expostos ao sistema imunológico. Ele nunca ficou sabendo que existem dentes no corpo. A dentina tem seis proteínas diferentes que devem ficar escondidas e “sequestradas” pelos cementoblastos e odontoblastos que a reveste. Se a camada celular que formam for destruída, enquanto não reparar, haverá reabsorção dentária! Se escondê-la novamente, volta ao normal!

O corpo é cheio de contrassensos e de pedra até sequestros temos! Imagine a complexidade da nossa mente, aliás é ela que domina nosso corpo! Oremos.

 

Ler matéria completa