Bauru e grande região

 
Alberto Consolaro

O que é antissepsia bucal?

28/11/2020 - 07h00

Reprodução

O manto em forma de gel protege os microrganismos, inclusive vírus, da ação de antibióticos, antissépticos, anticorpos, células e outros predadores

Antissepsia é o conjunto de manobras e atitudes que reduz a quantidade de microrganismos patogênicos de um local no organismo vivo. Antissepsia bucal se faz com escova, dentifrício e fio dental! Vamos explicar porque os enxaguantes ou bochechos são complementares na boca.

Na saliva tem substâncias que se aderem na superfície da língua, bochechas, palato e sobre os dentes. Esta película formada pela saliva, vai sendo povoada por bactérias, fungos, parasitas e vírus da microbiota bucal. A película adquirida vira uma cidade onde os iguais se juntam fazendo os bairros de acordo com a espécie microbiana. Como toda cidade tem nome e ela se chama “Biofilmes Microbianos”. Na superfície dentária é a “Placa Dentobacteriana”.

PREDADORES

Os microrganismos se protegem dos predadores representados pelos anticorpos, enzimas, células fagocitadoras, antibióticos, antissépticos, álcool, dentifrícios, enxaguantes, alimentos, fluxo de líquidos e outros. Vida microbiana não é fácil, tem que se defender o tempo todo! Para se proteger, as bactérias fabricam um manto de gel, gosma ou meleca de polissarídeos por cima desta população organizada com canais de oxigenação e alimentação.

Nossos alimentos, saliva, antibióticos, anticorpos, células, enzimas e o que se imaginar de líquido, pó ou gel, não entram ou destroem os biofilmes microbianos. Este gel protetor de polissacarídeos não deixa nenhum predador entrar na cidade microbiana. Quem descobrir algum produto que dissolva biofilmes microbianos, vai ficar muito rico, famoso e entrar para a história da humanidade.

Os biofilmes microbianos estragam aparelhos, computadores, fábricas de alimentos e bebidas, cascos de navios, lentes de contato e outras coisas. Param máquinas e interrompem linhas de produção, pois produzem ácidos, oxidantes e outros deteorizadores. Na boca produz halitose, cárie, gengivite e periodontite, além de cálculos.

REMOÇÃO

Qualquer enxaguante com antibiótico, antifúngico e antiviral não consegue entrar nos biofilmes microbianos para destrui-los. Até hoje nenhum produto conseguiu quimicamente destruir, dissolver, entrar, bombardear ou acabar com biofilmes microbianos. E na boca tem ainda, as reentrâncias, sulcos, fissuras e saburras onde os antissépticos sozinhos não penetram!

Para um biofilme ser destruído tem que ter uma ação física ou mecânica que o remova por raspagem, esfregando-o, retirando-o forçosamente! No caso da boca, só se tira biofilmes e reduz cargas microbianas, usando-se de uma escova ou algo para esfregar, atritar e remover com seus movimentos. Os dentifrícios são abrasivos, tem sabão e antissépticos que ajudam a escova a fazer este trabalho de uma forma mais cheirosa, gostosa e eficiente. O fio dental termina de fazer o serviço nos locais mais inacessíveis.

Qualquer antisséptico não faz nada sozinho contra os biofilmes microbianos, pois tem que se esfregar, escovar e atritar. Enxaguantes, bochechos e géis, também não fazem nada se não atritar, tirar, remover e escovar bem antes ou juntos. Nos pacientes internados, só bochechar, spray ou gel também não adianta! Os enxaguantes são complementares e até poderiam ser dispensados, mas é gostoso e ajudam dar uma sensação de bem-estar. Quem tiver dinheiro para comprar, pode ser a cereja do bolo, mas só a cereja em cima não vai deixar o bolo mais, gostoso, mas vai ficar mais bonito!

(Alberto Consolaro – Professor Titular da USP e Colunista de Ciências do JC)

Ler matéria completa