Bauru e grande região

Conversando com o Bispo

Domingo, festa do Senhor ressuscitado

17/01/2021 - 05h00

Por Ano Litúrgico entende-se o calendário religioso da Igreja Católica. Como o ano civil o Ano Litúrgico dura doze meses, mas não se divide em meses e sim em cinco tempos litúrgicos: Advento, Natal, Quaresma, Páscoa e Comum. Por esses tempos, de duração desigual, a Igreja celebra os principais mistérios da vida de Jesus, as suas ações salvadoras no mundo desde a sua encarnação, nascimento, paixão, morte, ressurreição, ascensão até à espera do seu retorno glorioso. Celebra também em Pentecostes e no Tempo Comum a ação do Espírito Santo atuando na vida da Igreja, bem como celebra solenidades, festas e memórias de Nossa Senhora e dos santos. O Tempo Comum de 2021 começou no dia seguinte à celebração da festa do Batismo do Senhor, comemorado no Domingo passado, ou seja, iniciou na última segunda-feira. Por conseguinte, com a Liturgia de hoje a Igreja entra no segundo Domingo do Tempo Comum. Por tradição apostólica que se origina na Páscoa-fato da ressurreição de Cristo, a Igreja celebra o Mistério pascal em cada Domingo, que é chamado também de dia do Senhor. Segundo o Concílio Vaticano II, o Domingo é o dia da festa primordial, no qual a Igreja comemora a Páscoa de Cristo, a maior das solenidades. Por isso "o Domingo é o fundamento e o núcleo do Ano Litúrgico". Neste dia os fiéis vão à santa Missa para ouvirem a Palavra de Deus e participarem da Eucaristia, fazendo a memória da Páscoa do Senhor (cf SC, 106). Dos textos bíblicos da Missa de hoje selecionei estas mensagens:

Fala, Senhor, que o teu servo escuta! - 1Sm 3, 3-10.19

O trecho bíblico narra a manifestação do Senhor ao jovem Samuel, através do ouvir, não do ver, enquanto dormia no Templo de Silo, perto da arca de Deus. Em várias vezes o Senhor chamou Samuel. Pensando que o chamado fora feito pelo sacerdote Eli, Samuel, levantando-se, dirigiu-se três vezes a ele. Eli, sabendo que quem chamava Samuel era Deus, o instruiu para que na próxima vez, se ouvisse o chamado de novo, deveria responder: "Fala, Senhor, que o teu servo escuta". Assim aconteceu que o Senhor apareceu e tornou a chamar Samuel. Samuel respondeu como Eli o ensinou e, então, compreendeu que era o Senhor que o chamava para a vocação de profeta. Uma vocação para cumprir uma importante missão: colaborar na realização do plano de salvação que Deus estabelecera para o bem da humanidade. Penetrando o sentido do mistério, Samuel se colocou à disposição do Senhor. Depois de escutar o Senhor, o profeta deu a resposta certa, inspirado no Salmo responsorial: "Eis-me aqui, Senhor" (Sl 39).

O corpo é feito para o homem, e este, para Deus - 1Cor 6,13-15.17-20

Paulo está admoestando os fiéis de Corinto sobre a imoralidade, impureza, fornicação. As relações sexuais extramatrimoniais ou contra a natureza são intrinsecamente más. Porque o nosso corpo é santo e pertence a Deus, não é para a imoralidade, mas para o Senhor e o Senhor é para o corpo. A fornicação é ofensa grave contra o Senhor. É uma injustiça contra Deus, porque a Ele pertence o nosso corpo. É um sacrilégio, porque prostituimos um membro do Corpo místico de Cristo. É uma profanação, porque somos Templos do Espírito Santo e devemos respeito total ao nosso corpo humano e dos outros. Paulo fecha sua reflexão com mais uma pergunta e uma resposta conclusivas: "Portanto, ignorais também que vós não pertenceis a vós mesmos? De fato, fostes comprados, e por preço muito alto. Então, glorificai a Deus com o vosso corpo".

Encontraram o Messias - Jo 1, 35-42

João Batista dá testemunho do Messias. Estando com dois de seus discípulos, viu Jesus passando e lhes disse: "Eis o Cordeiro de Deus". Os dois discípulos se puseram a seguir Jesus. Jesus, percebendo que o seguiam, voltou-se para eles e lhes perguntou: "O que estais procurando?" A resposta foi: "Rabi (que quer dizer mestre), onde moras?" Jesus respondeu: "Vinde ver". Foram ver onde ele morava e, nesse dia, permaneceram com ele. Era por volta das quatro horas da tarde. Um dos discípulos era André, irmão de Simão. Ele foi ter-se com seu irmão para lhe dizer que encontraram o Messias (que quer dizer Cristo). André levou Simão a Jesus. Jesus olhou bem para ele e disse: "Tu és Simão, filho de João; tu serás chamado Cefas" (que quer dizer rocha, "Pedro").

Ler matéria completa