Bauru

Davison de Lucas

Ser oportunista

16/01/2022 - 05h00

Acordamos em 2022 sedentos em querer saber como será o novo ano. Uma coisa é certa: continuamos ricos, detentores de três riquezas, geralmente não valorizadas por serem gratuitas: o tempo, o pensar e os problemas. Sim, os problemas são dádivas, uma vez que são mecanismos para desenvolvermos nossas inteligências intelectuais e morais, desde que utilizemos o tempo e o pensar com eficácia. Considerando que a vida é uma sequência de problemas e escolhas, pergunta-se: no ano passado você utilizou com sabedoria essas riquezas? O tempo curto agiu como vilão, impondo barreiras devido ao excesso de atividades e isto gerou ansiedade? Perdeu muito tempo com discussões que não levaram a nada? O tempo agiu como remédio quando você praticou a paciência? O pensar atuou como vilão quando você pensou pouco e faltaram detalhes num determinado planejamento e ocorreram falhas inadmissíveis? O pensar surgiu como solução quando você pensou o suficiente e eliminou algumas ilusões? Determinado problema agiu como vilão, uma vez que o assustou e o levou a se refugiar em uma zona de conforto? Fazemos parte de uma cultura que cultua estar na zona de conforto. A imaginária finalidade da zona de conforto é manter a sua vida segura, que na realidade é manter a sua vida estacionada. É impossível progredir sem se movimentar. Teve aquela situação indesejável que te levou a escolha equivocada, proporcionando, por sua vez, um sentimento de culpa? Dar importância para o sentimento de culpa é desperdiçar momentos valiosos, uma vez que não existe o erro, só existe aprendizagem. Aceitar isso, desta forma, possibilita abrir espaço para a força do progresso avançar. Também tem-se de considerar a cultura enraizada que possuímos de somente agir com máxima força quando a água bate no queixo. Em outras palavras, a energia da vontade é plenamente acionada somente no surgimento de ameaças. Nos dias atuais, com pensamentos coletivos acelerados e rápidas mudanças, onde o imprevisível e inesperado podem surgir a qualquer momento, temos de pensar rapidamente em oportunidade e agir. Onde tem ameaça tem oportunidade. Não que devemos deixar de contemplar a ameaça. A verdade é que o ser humano possui forças inexploradas que lhe permite resolver seus próprios problemas, da mesma forma que o corpo físico, visando sua proteção, possui anticorpos. Portanto, os problemas devem ser vistos como oportunidades de entrar nesse mundo de potencial inexplorado. Prevejo para o novo ano uma abundância de novas oportunidades de prosperidade em todos os sentidos. Minha esperança é que sejamos bem mais oportunistas. Viva o ano novo.

 

Ler matéria completa

×