Bauru e grande região

 
Kleber Santos

Doce, vitamina ou analgésico?

17/05/2020 - 07h00

Com a pandemia do coronavírus abalando a economia global, todos os novos projetos têm de ficar em quarentena aguardando a tempestade passar para sair do papel. No entanto, isso nem sempre está certo. Enquanto uns hibernam, outros se esforçam, dobram as ações de marketing e estão em crescimento.

É claro que, como em todo negócio, existem desafios e riscos, e não se pode ignorá-los. Mas esses desafios também apresentam oportunidades, e este é o momento perfeito para isso.

De 'é bom ter' a 'você deve ter'

A meu ver, a estratégia para o sucesso do lançamento durante a pandemia centra-se em transformar o foco do “é bom ter” em “você deve ter”, ou seja, o consumidor está mais aberto a comprar algo de que ele realmente precisa agora, e não um produto ou serviço que, embora bacana, não é imprescindível.

Para ilustrar, resumirei esse entendimento comparando a venda de doces, vitaminas e analgésicos. O doce é um prazer que as pessoas apreciam, mas não resolve um problema. As vitaminas geralmente têm um impacto positivo ao longo do tempo, mas não com efeito instantâneo. Já os analgésicos oferecem uma solução imediata para um problema extremamente importante e urgente que precisa ser aliviado imediatamente. Em tempos como esses, não se deseja que seu novo produto ofereça outra coisa que não um analgésico.

Sucesso na crise

A história está cheia de exemplos de empresas que surgiram de uma crise e atingiram o sucesso porque seus produtos foram projetados como analgésicos, caso da Uber, que surgiu como alternativa mais barata de transporte e hoje está presente em 63 países, com faturamento global superior a 11 bilhões de dólares, sendo o Brasil seu segundo maior mercado no mundo. O Airbnb, outra empresa fundada na crise por dois desempregados, hoje aluga mais de dois milhões de imóveis, de quartos a castelos, em 190 países, com valor estimado em 25 bilhões de dólares.

Um dos nichos de mercado que já está aproveitando bem esse período com as vendas em alta é o de cursos on-line. A proliferação da covid19 e os altos riscos de contágio criaram uma enorme oportunidade, pois muitos profissionais agora trabalham em home-office e, de repente, têm muito tempo em mãos. Esse é um dos motivos que alavancam esse segmento de negócio.

Não se surpreenda se, daqui a dez anos, o mundo for dominado por empresas e produtos que aproveitaram ao máximo a crise atual.

Por que você não deveria ser um deles?

Ajuda profissional

Se precisar, procure ajuda profissional para montar a estratégia de marketing para o lançamento do seu produto ou serviço. O que você não pode é deixar de aproveitar as oportunidades. Só assim, quando essa pandemia finalmente acabar, você verá que valeu a pena o esforço de agora, já que seus negócios terão crescido justamente nos tempos difíceis.

Ler matéria completa