Bauru e grande região

Leonardo de Brito

Ritmo de 2020

Leonardo de Brito

por Leonardo de Brito

29/11/2019 - 04h31

A temporada ainda não terminou mas o Noroeste já conhece seus primeiros adversários para o ano que vem, e tem planos traçados. Dia 3 de janeiro o Alvirrubro encara o Botafogo-RJ pela Copa São Paulo de Juniores que terá 128 clubes de todos os Estados, divididos em 32 chaves. O outro jogo do grupo 4/Bauru é entre Visão Celeste-RN e Novorizontino. O Norusquinha se prepara há mais de um mês visando brilhar na Copinha. Já o Noruscão segue com a forte preparação para a Série A3 que começa em 25 de janeiro. A estréia será contra o São Bernardo, no ABC. Para buscar o acesso, Noroeste contratou técnico de peso, Luiz Carlos Martins e jogadores experientes como Guilherme Teixeira e França, entre outros.

No páreo

Corinthians jogou bem, venceu o lanterna Avaí e ainda pode sonhar com vaga direta na Libertadores. Deve disputar pelo menos a Sul-Americana

Triste

Ao perder para o Botafogo diante de sua torcida, Chapecoense sofreu o primeiro rebaixamento de sua história, 6 anos após chegar à elite

Folclore

O zagueiro Lacraia reforça o Marília na folclórica Terceirona. Lacraia defendeu vários times das séries B e C do Rio, e vinha atuando no Serra, gigante do futebol capixaba

Curiosidade

As duas maiores goleadas da história do futebol profissional paulista foram dadas pelo Santos. Em 1959, 12 a 1 na Ponte Preta, sem Pelé, artilheiro do Estadual daquele ano com 47 gols. Em 1964, 11 a 0 no Botafogo de Ribeirão. Pelé marcou 8

Memória

Paulista de 1960: Noroeste 5 x 2 São Paulo, em Bauru, gols de Zé Carlos Coelho 3, Batista e Maneca. Gino e Agenor para o Tricolor. Árbitro: Sebastião Mairique. Público: 17 mil. Noroeste: Julião; Aldemar e Geraldo; Diogenes (Toninho Guerreiro), Gaspar e Bassu; Batista, Maneca, Zé Carlos, Leal e Gélson. Técnico: João Avelino. São Paulo: Poy; Ademar e Gérsio; Fernando Sátiro, Vítor e Riberto; Peixinho, Gonçalo, Gino, Agenor e Canhoteiro. Técnico: Vicente Feola

Saudade

Morreu Otacílio Pires Camargo, o Cilinho, primo do prof. Gualberto e técnico de muitos clubes do País, inclusive o Noroeste em 1966. Mas se destacou na Ponte Preta (década de 70), XV de Jaú e São Paulo (anos 80)

Ler matéria completa