Bauru

Reflexão e Fé

Paz no mundo

Hugo Evandro Silveira Pastor Titular - Igreja Batista do Estoril. E-mail: [email protected]

14/11/2021 - 05h00

Nessa semana, no dia 10 de novembro foi celebrado o Dia Mundial da Ciência pela Paz e pelo Desenvolvimento. Este dia passou a ser celebrado anualmente desde 2001 a nível mundial, com a promoção da UNESCO, uma oportunidade para sublinhar o papel da ciência na edificação de um mundo melhor. Esta data foi elaborada para demonstrar ao público em geral a razão da ciência ser relevante para a vida diária das pessoas sob o estímulo da paz no mundo. Segundo a Unesco o Dia Mundial da Ciência para a Paz e o Desenvolvimento visa a garantir que os cidadãos se mantenham informados sobre os desenvolvimentos da ciência em seu esforço de promover a paz mundial. Mas será que mais um dia de reflexão sobre a paz, faz realmente estabelecer, ou ao menos cooperar nessa tão desejada consolidação da paz no mundo?

O CONFLITO

"De onde vêm as lutas e as brigas entre vocês? Elas vêm das suas paixões, dos maus desejos que estão sempre guerreando dentro de vocês. Vocês querem muitas coisas; mas, como não podem tê-las, até matam a fim de consegui-las. Vocês cobiçam, desejam ardentemente; mas, como não conseguem possuí-las, então brigam e lutam. Não conseguem o que querem..." (Tiago 4.1,2). Em outras palavras, a origem do conflito, seja entre nações ou pessoas, é o desejo frustrado: Quer e não tem, então mata-se reputações, amizades, famílias, histórias, sentimentos, corpos. Um pai cansado deseja paz e sossego, mas o filho que está muito entusiasmado com um novo jogo não permite, então descarrega-se a raiva mutuamente. O jovem quer se casar, mas sua namorada rompe o noivado e ele entra em depressão e raiva. Um partido político quer controlar o governo e desacredita a oposição, mesmo que essa esteja certa em suas posições para o bem do povo. Uma nação quer a todo custo uma fronteira, ou quer manipular determinado produto no mercado mundial, então invade o direito do outro país. Querem e não têm, então matam, antes porém, roubam, exploram, mentem, insultam, gladiam-se e a paz desaparece do mundo.

A PAZ NO LIVRO SAGRADO

Jesus disse: "Bem-aventurados os que buscam a paz" (Mateus 5.9). O apóstolo Paulo afirmou: "No que depender de ti, tende paz com todos os homens" (Romanos 12.18). E o apóstolo Pedro também trabalhou na mesma direção: "Busque a paz e siga-a" (1 Pedro 3.11). Repetidamente Deus é chamado de "Deus de paz": Romanos 15.33; 16.20; Filipenses 4.9; Hebreus 13.20; 1 Tessalonicenses 5.23; 2 Tessalonicenses 3.16. Jesus, o Filho de Deus é chamado de "Príncipe da Paz" (Isaías 9.6). Sua mensagem é chamada de "Evangelho da Paz" (Atos 10.36; Efésios 6.15). Mas como podemos seguir Jesus no caminho da paz quando nossos corações estão transbordados de desejos e anseios que não são realizados?

DESEJAR COM EQUILÍBRIO

Não há uma maneira do ser humano parar de ter desejos. Até porque uma pessoa sem desejos não faria guerra, mas também não faria amor, nem poemas, nem música, nem bem algum. Desejo é bom, mas com equilíbrio. Segundo a lógica de Cristo, o desejo, em última instância, a fim de não se tornar loucura, deve ser redirecionado ao Deus Eterno, que promete aos seus fiéis satisfação, além da compreensão humana. A razão de haver tantas pessoas iradas, hostis e combativas no mundo é porque poucas pessoas realmente acreditam que o Deus Criador está no controle de todas as situações encaminhando todas as coisas para o bem daqueles que confiam nEle. Manter o nosso desejo em equilíbrio vai na direção do que o Senhor Jesus disse: "Não se preocupe, seu Pai Celestial conhece todas as suas necessidades; então busque primeiro o Reino de Deus, e Ele lhe dará o que você realmente precisa" (Mateus 6.31-33).

A ÚNICA POSSIBILIDADE DE PAZ NO MUNDO

Não é possível parar de desejar, mas é possível voltar nossos desejos para Deus por meio do seu Filho Jesus Cristo, que em sua presença mística é a única possibilidade de paz nos corações humanos, que naturalmente refletirá paz no mundo. Portanto, aquele que deseja viver em paz nesse sistema de tantos conflitos, a primeira coisa a fazer é lançar todo desejo nos braços do Pai Eterno, na intenção de desenvolver um coração livre do medo, da culpa e da ganância. Se cada um buscar essa máxima, nobres e plebeus, ricos e pobres, líderes e liderados, autoridades e comuns, governos e povos, pais e filhos, cônjuges, encontraremos, todos, a paz que ultrapassa todo anseio egoísta.

Ler matéria completa

×