Bauru e grande região

Reinaldo Cafeo

Como você se enquadra financeiramente?

por Reinaldo Cafeo

01/08/2019 - 13h31

Sempre são traçados perfis da forma como as pessoas lidam com dinheiro. No campo dos investimentos financeiros tem o conservador, o moderado e o arrojado. O primeiro não quer correr riscos, o segundo corre algum risco e o terceiro gosta mesmo é de arriscar. Cada qual terá sua recompensa: risco maior, busca de retornos maiores (e eventualmente de perdas maiores). Também é possível estabelecer a sua personalidade financeira.

Personalidade financeira

Vamos a elas. Há uma personalidade financeira denominada de gastador. É aquele que sempre se rende ao consumo. Gosta de ostentar, viajar, comprar inúmeros produtos e objetos. Até tenta se organizar, mas o desejo em consumir fala mais alto. Outra personalidade financeira é o financista. Este gosta de poupar e elaborar planos financeiros. Busca um futuro seguro com reservas para educar os filhos e se segurar na velhice.

Outras personalidades financeiras

Tem ainda o poupador. Corre poucos riscos, até gasta parte da renda, mas certamente vai poupar mais do desperdiçará recursos. O problema é que fazem o dinheiro render pouco. E, finalmente, tem o batalhador. Possui dívidas, enfrenta problemas financeiros e demora para tomar decisões que mudem este estado de coisas. Baixa capacidade em poupar. E aí, se identificou com alguma personalidade? Espero que esteja naquelas que são as melhores.

IGP-M mais comportado

A chamada inflação dos aluguéis, o IGP-M que é calculado pela Fundação Getúlio Vargas, desacelerou em julho se comparada a junho. No mês de julho, o índice atingiu 0,40%, metade do apurado em junho (0,80%). Ainda é elevado tanto no acumulado do ano (4,79%) como nos últimos 12 meses (6,39%). Este será o patamar de reajuste de aluguel. Negocie na medida em que a inflação oficial está abaixo dos 4%. Fique de olho.

Queda na Selic

O Banco Central (BC) brasileiro rebaixou a taxa de juros básica da economia, conhecida como taxa Selic. Caiu de 6,5% ao ano para 6,0%. Com isso, abre espaço para reduzir os juros na ponta. A decisão busca estimular o consumo e levar o País a retomar o crescimento econômico. A inflação comportada foi o pano de fundo para esta queda.

Mude já mude, para melhor!

Viva intensamente seu presente. Se valha do passado para alicerçar seu futuro. Seja dedicado e não aceite o mais ou menos. Qualidade sempre, em tudo que fizer. Esteja aberto ao novo. Mude já, mude para melhor! Acesse o Planeta Economia no YouTube.

Ler matéria completa