Bauru e grande região

Reinaldo Cafeo

Juros em 4,25% ao ano

09/02/2020 - 06h00

O Banco Central demonstrou em sua decisão em reduzir novamente a taxa Selic, desta vez de 4,5% ao ano para 4,25% ao ano, que a política monetária será utilizada em sua plenitude visando recuperar o crescimento da economia. Mesmo com algum risco de repique da inflação via aumento da cotação do dólar, a Autoridade Monetária derrubou a taxa básica.

Juros reais

O Brasil não somente pratica a menor taxa de juros nominal, como também reduziu drasticamente a taxa de juro real (taxa descontada a inflação). Com uma taxa nominal de 4,25% ao ano, tendo uma meta de inflação de 4% para este ano, o juro real seria de 0,25 ponto percentual. Considerando que as projeções apontam para uma inflação rodeando os 3,5% para este ano, o juro real será de 1 ponto percentual ao ano. Historicamente, os juros reais no Brasil ultrapassavam 3,5% ao ano. Expressiva mudança.

Mais liquidez no mercado

Juros menores aumentam a liquidez do mercado. Quem aplica em renda fixa, pode migrar para o dinheiro para o consumo. Quem precisa de empréstimo para adquirir bens, com os juros menores (devem cair) se sente estimulado a antecipar o consumo. Também o setor produtivo é o que oferecerá maior retorno ao investidor, portanto, juros menores podem estimular investimentos no lado real da economia.

Rendimento maior, risco maior

Esta sempre foi a tônica de quem aplica seus recursos no mercado financeiro: se deseja ganhar mais, tem que arriscar. Os conservadores buscarão rendimento anual na casa dos 4,15% ao ano. Caderneta de poupança renderá 2,97% (70% da Selic) ao ano. Quem migra parte de seus recursos para renda variável, como é o caso do mercado de ações, arriscará mais, porém poderá alcançar retorno maior. Rentista tradicional terá que mudar de estratégia.

Juros menores a economia ganha

Esta mudança de rentista para investidor no lado real da economia faz com que a economia ganhe. Muita gente deixou de investir em empresas, em novos projetos, exatamente porque o ganho nas aplicações financeiras era bom com baixo risco. Isso mudou. Adquirir parte de companhias através de suas ações, canalizar recursos para construção civil, investir em franquias, ampliar o parque fabril, enfim, injetar dinheiro na produção gera riqueza e promove o emprego, é que oferecerão maiores retornos.

Coronavírus e a economia mundial

Como o vírus afeta a economia mundial? Neste momento os negócios estão em parte paralisados na China. Empresas como Toyota, Starbucks, McDonald´s e Volkswagen reduziram suas atividades na China. As exportações chinesas podem cair na casa de 3%. Quem fornece matéria-prima para China também será afetado. O PIB mundial será menor este. Na China a queda do PIB pode ser de até 1,5 ponto percentual. Para o bem da economia mundial e principalmente para a saúde das pessoas, é preciso estancar a proliferação do vírus.

Mude já, mude para melhor!

As críticas são bem-vindas, mas precisam ser construtivas. Fora isso pode ser considerada ofensa. Vale a reflexão. Mude já, mude para melhor!

Ler matéria completa