Bauru

Reinaldo Cafeo

Juros no Brasil

19/06/2022 - 05h00

Para controlar a inflação, o Banco Central brasileiro elevou a taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual. Agora, a taxa Selic é de 13,25% ao ano. A projeção do mercado é que a taxa atinja este ano 13,75% ao ano.

Juros nos Estados Unidos

Por lá, o aumento foi maior: 0,75 ponto percentual. Agora, a taxa básica de juros norte-americana varia entre 1,5% e 1,75% ao ano. A taxa pode chegar a 3,25% ao ano.

Renda Fixa

Quem aplica em renda fixa se beneficia na medida em que as aplicações tanto em Selic como em CDI passam a ser atraentes. Renda variável só no longo prazo. Há bancos pagando até 200% do CDI. Ganho certo e seguro. Importante destacar que a caderneta de poupança tem rendimento máximo de 0,5% ao mês TR, portanto, está mais distante das boas rentabilidades da renda fixa lastreadas em Selic ou CDI.

Renda variável

A bolsa brasileira está barata e os criptoativos também. Pode ser uma opção, desde que o investidor possa esperar por três ou quatro anos. No curto prazo, muitas incertezas tornarão o mercado de renda volátil.

Empréstimos

Juros maiores para quem aplicar seus recursos, custo maior para quem precisa de tomar dinheiro emprestado. Lembrando que quando há garantias o custo é menor, como são os casos do crédito consignado e penhor de joias. Para financiamentos, o imobiliário terá pouca alteração e para financiamento de automóveis, como tem o veículo em garantia, tende a não sofrer alterações significativas.

Cartão de Crédito: juros acima de 330% ao ano

Já são salgados, e agora com a alta dos juros básicos tendem a ficar mais ainda. Com uma taxa média acima de 13% ao mês, o rotativo do cartão de crédito pode atingir mais de 330% ao ano. Não precisa ir longe para constatar que esta taxa é alta: quanto você tem de reajuste de salário ao ano? 7%, 10%? Sentiram a diferença, não é?

Separe as contas

Para não ter surpresa na fatura do cartão de crédito é preciso separar as contas. Liste tudo que você paga mensalmente que não entra no cartão de crédito, como mensalidade escolar, aluguel, água, conta do telefone, energia, entre outros. Depois considere 15% de sua renda para prioridades financeiras. Pegue sua renda mensal e deduza as despesas que não são pagas com o cartão de crédito, subtraia 15% que devem ser utilizados para prioridades financeiras, pronto, o saldo apurado é o limite que você efetivamente tem para gastar no cartão. Esqueça o limite atribuído pelo banco e apure seu próprio limite. Procedente desta maneira a fatura mensal poderá ser paga integralmente.

Prescrição de dívida

Muita gente tem dúvida: o banco pode cobrar uma dívida depois de 5 anos? Na prática há uma confusão no que a legislação estabelece. Funciona assim. Depois de 5 anos sem nenhuma ação judicial para realizar a cobrança, o credor não poderá mais acionar judicialmente o devedor. Caso o nome do devedor esteja negativado no SPC ou outro banco de dados de negativados, deverá retirar o nome deste devedor.

A dívida não é eliminada

Mas nada disso elimina a dívida. Há somente uma prescrição no tocante a cobrança judicial. Dependendo do tipo de dívida o prazo pode ser diferente dos 5 anos e chegar a 10 anos. Mas para as dívidas mais comuns são 5 anos. Então como fica a dívida? Ela não é eliminada e o credor poderá cobrá-la extrajudicialmente, ou seja, com ações diretas, sem passar pela justiça. É bom conhecer seus direitos, mas melhor ainda é organizar as finanças do lar de maneira tal maneira que as dívidas assumidas sejam honradas em seu vencimento, preservando um dos maiores ativos que você tem: seu nome.

Mude já, mude para melhor!

Simplifique as coisas em seu dia a dia. Deixe os "mimis" de lado e seja positivo com a vida. O que plantar, colherá! Muda já, mude para melhor!

Ler matéria completa

×