Bauru e grande região

 
Wagner Teodoro

Vai ter que acelerar

26/07/2020 - 05h00

O Noroeste participa, nesta terça-feira (28), de novo conselho técnico da Série A3 por videoconferência. A reunião entre dirigentes dos clubes e da Federação Paulista de Futebol deve definir, enfim, os rumos da Terceirona, paralisada há meses, talvez já esboçando um calendário e encetando uma corrida contra o tempo, pelo menos para o Norusca, para remontar elenco e comissão técnica, já que interrompeu completamente suas atividades neste período de pausa forçada pela pandemia de coronavírus. O Alvirrubro, é bom lembrar, é a única equipe já classificada. Porém, veio a Covid-19 e o que era um caminho pavimentado rumo ao provável acesso se tornou uma trilha, que impõe vários obstáculos.

O Noroeste, por necessidade e estratégia, optou por se movimentar somente quando ocorressem definições por parte da Federação Paulista. Outros clubes, não. Muitos contrataram. Alguns conseguiram manter jogadores e técnicos. E já contam com o mais básico: um time ou a base dele. O que o Noroeste não tem. Se pegarmos o exemplo da Série A2, e é razoável pensar que a entidade máxima do futebol estadual planeje agir de modo semelhante, foram duas semanas entre o conselho técnico e a data de início dos treinos, que está marcada para a segunda-feira (27). Portanto, não seria despropósito imaginar que o reinício dos treinamentos da A3 fossem projetados para a segunda semana de agosto. Claro, tudo depende da autorização dos órgãos estaduais que lidam com a pandemia.

Mas em um período de 15 ou 22 dias antecedendo a retomada de atividades, o Norusca sai em desvantagem e terá que acelerar todos os processos, porque, antes de treinar, é necessário realizar exames médicos e testes físicos, clínicos e fisiológicos. E, mais que isso, contratar. O presidente Lelê afirma que, a partir de terça, a primeira providência será definir a receita e quais investidores seguirão com o clube. Obviamente, a ideia é manter a maior parte possível do elenco que vinha sobrando na A3. Como não podem assinar com nenhum outro paulista - a FPF mantém a proibição de troca de clubes dentro do Estado para atletas que já disputaram uma das competições em 2020 -, a concorrência para o Norusca diminui. 

Suporte da FPF

A ideia de clubes e FPF é que a Série A2 seja retomada no dia 19 de agosto, praticamente um mês após o reinício da A1, que voltou em 22 de julho. Se for uma tendência, a A3 recomeçaria no final de setembro. E, se o que foi definido para a Segundona valer também para a divisão que o Noroeste disputa, os clubes terão suporte da FPF nos gastos com testes de Covid-19 antes do reinício de treinos e competição com limitação de 38 pessoas e, caso solicitado, no transporte e hospedagem dos mandantes que não puderem atuar em suas sedes por razão da pandemia, ou seja, cidades que estão abaixo da faixa amarela do Plano São Paulo.

Importante o custeio de tais despesas, pois o que mais vemos no Paulistão são times do Interior jogando fora de suas cidades. Além disso, Santos e Corinthians, por exemplo, tiveram R$ 16 mil e R$ 20 mil, respectivamente, de prejuízo em suas partidas sem público e renda. Até setembro a esperança é que estejamos em melhor situação, não pelo futebol, mas pela saúde pública. E o futebol se beneficiaria disso. Não serão ainda cobradas, na Série A2, taxas de novas inscrições de atletas.

Boas perspectivas

Quem também deve voltar a jogar em setembro é o Bauru Basket. Pelo menos esta é a meta da Federação Paulista para o início do Estadual, o que depende de aval mais uma vez do governo. Os treinos deveriam começar em agosto, mas tudo segue em compasso de espera. Revigorado pelo novo patrocínio máster, agora da Zopone Engenharia, o Dragão faz movimentos no mercado.

Por enquanto, buscou dois jovens bons de bola, o armador Alexey, veloz, de mão calibrada, com facilidade na infiltração, e o pivô Dikembe, reboteiro, que tem tudo para trazer presença mais forte e dominante no garrafão para o time bauruense. O Bauru deve ainda oficializar o retorno de Alex e já tem Larry Taylor garantido. Gostei das contratações e a volta de Alex e permanência de Larry dão experiência, identificação e liderança ao time. Perspectiva de uma equipe competitiva.

Ler matéria completa