Bauru e grande região

15/01/2020 - 06h00

Sem sessão

O prefeito Clodoaldo Gazzetta tentou marcar uma sessão extraordinária nesta sexta-feira (17), mas não conseguiu. Até havia quantidade suficiente de vereadores para a votação do projeto que cria o Instituto de Planejamento (IP), mas o mesmo ainda precisa de liberação na Comissão de Economia, e a vereadora Chiara Ranieri (DEM) aguarda informações solicitadas para o governo, que ainda não chegaram.

Audiências

A parlamentar, aliás, chamou duas audiências públicas que acontecerão ainda no recesso parlamentar. Na semana que vem, o encontro será para discutir o projeto de concessão da destinação final do lixo, marcada para dia 21 de janeiro, às 8h30. A outra audiência pedida por Chiara será sobre a preservação do Rio Batalha, no dia 28 de janeiro, também às 8h30.

Fundo

No caso da preservação do Rio Batalha, a prefeitura aprovou no final do ano passado uma lei que destinará 1% da arrecadação do Departamento de Água e Esgoto (DAE) para um Fundo que será usado na recuperação do manancial, que abastece 37% da área urbana. A estimativa é arrecadar pelo menos R$ 750 mil anualmente.

Ambulâncias

A vereadora Telma Gobbi (SD) pediu informações a respeito do envio de ambulâncias do governo federal para o Samu de Bauru. Segundo ela, havia dúvidas se o município tinha perdido o prazo para efetuar a solicitação. O secretário de Saúde, José Eduardo Fogolin, esclareceu a situação e disse para ela que Bauru está na lista de municípios que receberão os veículos, mas a ordem de entrega depende do governo federal.

Brinquedos

Os brinquedos adaptados para crianças com deficiência instalados recentemente em uma praça na Vila Industrial foram danificados. O vereador Fábio Manfrinato (PP) denunciou o problema e lamentou que atos de vandalismo e mau uso dos equipamentos, comprados com dinheiro do contribuinte, acabem destruindo os brinquedos. Situação que mostra o quanto ainda precisamos avançar enquanto sociedade.

Na Semel

Os coordenadores de diversas modalidades esportivas estão se mobilizando por conta de mudanças nos critérios do chamamento público para divisão da verba do Fundo Municipal de Desenvolvimento Esportivo. Também há preocupação com o fim de 18 cargos. O assunto precisará de solução no mês que vem. Além das vagas na Semel, o Ministério Público de São Paulo (MP-SP) pede o fim de cargos comissionados em outras pastas, DAE e Câmara Municipal.

Ler matéria completa