Bauru e grande região

13/02/2020 - 06h00

Previdência

A Funprev terá de aumentar o percentual da alíquota da contribuição dos servidores, de 11% para 14% do salário bruto. O prefeito Clodoaldo Gazzetta pretende discutir o assunto após a data-base da categoria, pois entende que não há como vincular os dois assuntos.

Variação

A Secretaria de Finanças fechou ontem o balanço da Prefeitura de Bauru em 2019 e a receita obtida ficou acima do esperado. A 'venda' da folha e a cobrança de devedores são apontadas como motivos da melhora da arrecadação.

Positivo

Em 2018, a receita da prefeitura foi de R$ 879 milhões e a projeção para 2019 era de R$ 909,4 milhões, mas fechou o ano em R$ 967,7 milhões. A variação foi de 10,09% na comparação de um ano para o outro, e de 6,41% na comparação entre o que foi estimado na Lei Orçamentária Anual e o que entrou de fato.

Despesas

Se as receitas cresceram, as despesas também aumentaram. O pagamento de folha salarial foi de 433,6 milhões em 2019 contra R$ 396,3 milhões de 2018, crescimento de 9,43%. As despesas de custeio também subiram 8,76%, enquanto os investimentos caíram 29,78%. Já os encargos saltaram de 35,74%, perspectiva que se mantém.

Controle

Os dados do DAE, Emdurb e Funprev ainda não foram concluídos. Todos serão apresentados em audiência pública da Comissão Interpartidária da Câmara Municipal, no dia 28 de fevereiro. O secretário de Finanças, Everson Demarchi, avalia que o resultado final foi positivo, mas lembra que para este ano a margem de crescimento é menor e que terá que segurar despesas.

Audiência

A Câmara terá audiência pública hoje, às 8h30, chamada pela vereadora Chiara Ranieri (DEM), para apresentação da dívida atual da Cohab. Em seguida, a Comissão Especial de Inquérito (CEI) que deve apurar as irregularidades na companhia fará sua primeira reunião de trabalho. Ainda nesse assunto, o Podemos entrou com representação no Ministério Público Federal (MPF) para que o órgão entre no caso.

Carnaval

O promotor Fernando Masseli Helene deu parecer favorável ao pedido de liminar do coordenador regional do Podemos, Abner Isidoro, que pede o cancelamento da destinação de R$ 753 mil da Secretaria de Cultura ao Carnaval. No despacho, o promotor cita a falta de licitação para contratação da Liga das Escolas de Samba e Blocos (Liesb) para repassar o dinheiro às entidades. A Justiça ainda vai decidir sobre o pedido.

 

Ler matéria completa