Bauru e grande região

25/03/2020 - 06h00

Pode retirar

O reajuste dos servidores públicos pode não acontecer. Diante da perspectiva de redução na arrecadação da Prefeitura de Bauru, por conta da crise do novo coronavírus, o município já avalia retirar o projeto de lei que foi apresentado nesta semana na Câmara Municipal. Se confirmado, a proposta de 4,2% de aumento no salário e reajuste nos benefícios ficaria para depois.

Em avaliação

Ao JC, o prefeito Clodoaldo Gazzetta (PSDB) admite que está avaliando a situação com a Secretaria de Finanças. A pasta já fala em redução drástica da receita nos próximos dois meses, por conta da falta de atividade da maioria das empresas, o que afetará diretamente o montante a ser arrecadado do ano todo.

Ação judicial

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Bauru e Região (Sinserm) entrou com ação civil pública na Justiça, por conta do coronavírus, para que a Prefeitura de Bauru forneça Equipamentos de Proteção Individual (EPI) de saúde aos servidores, afastamento temporário dos funcionários com mais de 60 anos e das gestantes, e de trabalho em casa em todos os setores em que for viável.

Momento Único

Na sessão da Câmara, o presidente José Roberto Segalla (DEM) agradeceu a compressão dos demais vereadores por conta das mudanças ocorridas, em função do coronavírus, e afirmou que a situação vivida pelo mundo não tem precedentes nas últimas décadas, sendo comparado por ele apenas à Segunda Guerra Mundial.

FTE na crise

No último fim de semana, os ex-vereadores Fabiano Mariano e Renato Purini deram a sugestão de que o município utilize na saúde os recursos do Fundo de Tratamento de Esgoto (FTE), que tem mais de R$ 170 milhões. A alternativa é vista como possível no governo municipal, caso a situação financeira se agrave demais. Porém, precisaria de aprovação dos vereadores e de anuência do Ministério Público de São Paulo (MP-SP), pois o FTE veio após Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) e por lei, e teria de haver reposição após a situação se normalizar.

Esforços

Todos os vereadores assinaram um documento que será levado ao governador João Doria (PSDB) cobrando o começo do funcionamento do Hospital das Clínicas (HC) na USP. O prefeito Gazzetta vem mantendo contato com o Estado, e o ex-deputado estadual Pedro Tobias (PSDB) voltou a pedir uso de uma emenda parlamentar destinada por ele. Gazzetta cita até a possibilidade de a prefeitura ajudar diretamente, se necessário.

 

Ler matéria completa