Bauru e grande região

 

16/09/2020 - 05h00

Último dia

O prazo para a realização das convenções acaba hoje. Em Bauru, praticamente todos os partidos já fizeram seus encontros e definiram candidatos ou coligações. Até ontem à noite, eram 12 candidatos a prefeito formalizados nas convenções. A campanha começa dia 27/09.

Registrado

Conforme a coluna antecipou ontem, oito vereadores de Bauru fizeram Boletim de Ocorrência (BO) pela divulgação de uma mensagem na internet que coloca a foto dos parlamentares dizendo que eles não querem investigar a Cohab. Os vereadores citados não concordavam com a abertura de Comissão Processante (CP), mas citam que já tinham aprovado o relatório da Comissão Especial de Inquérito (CEI).

Assinaram

O BO com a representação foi feito pelos vereadores Sandro Bussola (PSD), Carlão do Gás (DEM), Carlinhos do PS (PTB), Miltinho Sardin (PTB), Markinho Souza (PSDB), Pastor Luiz Barbosa (Republicanos), Ricardo Cabelo (Republicanos) e Yasmim Nascimento (PSDB).

Internado

O ex-vereador e pré-candidato a prefeito Luiz Carlos Valle (Podemos) está internado com coronavírus. Em nota, o presidente do partido, Bruno Primo, comunicou que o estado de saúde dele se agravou.

Limite

A Prefeitura de Bauru já projeta estourar o limite prudencial com despesas de pessoal em 2021. Em apresentação na Comissão Interpartidária da Câmara, ontem, a Secretaria de Finanças mostrou que a Receita Corrente Líquida (RCL) do município, já contando a administração indireta, ficará pouco acima de R$ 1 bilhão. O gasto com folha de pagamento ficará em R$ 534 milhões, 51,94% da RCL, acima do prudencial, que é de 51,3% determinado na legislação.

Reposição

O secretário de Finanças, Everson Demarchi, afirmou que apenas reposições de servidores que se aposentam devem acontecer, justamente para evitar um aumento ainda maior da folha. Conforme o JC mostrou ontem, a maioria das secretarias perderá verba, o mesmo ocorrendo na Funprev, DAE e Emdurb.

Dívidas

Outro aspecto que chama a atenção é a dívida, pois R$ 78,8 milhões do Orçamento serão usados para pagar débitos e precatórios. Já os investimentos serão pequenos e a Secretaria de Obras praticamente não terá verba própria para isso. Na soma de todas as pastas, os investimentos podem ficar em cerca de R$ 20 milhões. Ou seja, a despesa com dívidas pode ser quatro vezes maior do que o valor que será usado em investimentos. Leia mais na página 3.

Ler matéria completa