Bauru

22/07/2021 - 04h33

No papel

O presidente do Legislativo, Markinho Souza (PSDB), solicitou ontem que a prefeita Suéllen Rosim (Patriota) envie à Câmara emenda aditiva ao projeto de lei aprovado pela maioria dos vereadores que repassa R$ 5,5 milhões à Fersb para gerenciamento da UPA Geisel. Ele pede para acrescentar que que o encontro de contas com a Fundação seja mensal e não anual, como vinha sendo feito.

Garantia

Embora a chefe do Executivo tenha dito nesta quarta (21) que vai verificar a possibilidade com a Secretaria de Saúde, a informação é de que Suéllen já havia dado anteriormente a garantia de que tomaria tal decisão, durante seu contato com vereadores, em uma das duas sessões da última segunda-feira, que garantiu a aprovação do repasse.

Chancela

Para tal mudança, bastaria ao Executivo propor a alteração no contrato vigente com a Fersb, sem a necessidade de enviar a emenda para aprovação da Câmara, mas Markinho afirma que é importante que a mudança passe pelos vereadores, para que todo o processo fique claro e registrado oficialmente também na Casa de Leis, através da emenda ao projeto já aprovado.

Cancelada

Em tempos em que moções e indicações de honrarias geram, algumas vezes, mais polêmica que projetos enviados pelo Executivo à Câmara de Bauru, uma Moção de Apelo não será enviada na próxima semana, mas por um bom motivo.

Conquista

Trata-se da Moção que a vereadora Chiara Ranieri (DEM) enviaria ao Governo do Estado pedindo estudos para a implantação da intercambialidade de vacinas para que mulheres grávidas, que receberam a primeira dose da vacina AstraZeneca , possam tomar em três meses a Pfizer, como forma de proteção contra a Covid-19. Isso já foi decidido pelo governo.

Proteção

O anúncio foi feito pelo vice-governador Rodrigo Garcia e os municípios do Estado que aplicaram a primeira dose da Fiocruz (AstraZeneca/Oxford) em gestantes e puérperas podem, a partir da próxima segunda-feira (26), concluir o esquema vacinal com a segunda dose com imunizante da Pfizer. Assim, as grávidas não precisarão mais esperar o período de um mês e meio depois do parto para estarem protegidas.

Novo grupo

Chiara comemorou a decisão e aguardava a definição do calendário da Prefeitura de Bauru para o início dessa imunização do novo grupo. Mas deve apresentar para votação outra Moção na próxima sessão da Câmara, com pedido à prefeita Suéllen Rosim para que inclua as mulheres lactantes, independente das idades dos filhos no grupo prioritário para vacinação.

Ler matéria completa