Bauru e grande região

Tribuna do Leitor

Inesquecível Zilda Arns

17/01/2010 - 07h00

“A história nos dá subsídios do passado para vivermos o presente apenas com a lembrança das pessoas”. Foi com esta frase que busquei inspirarão para escrever e relatar um fato marcante do qual tive o prazer e o privilegio de participar, em São Paulo, no dia 12/7/2004, quando a inesquecível doutora Zilda Arns recebeu o Prêmio às Mulheres mais Influentes do Brasil. Eu estava lá como repórter cinematográfico da TVUSC, registrando os momentos inesquecíveis que guardo no meu arquivo particular.

Médica pediatra e sanitarista, além de fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança, organismo de Ação Social da Conferência dos Bispos do Brasil (CNBB), dona Zilda Arns, que nasceu em 25 de agosto de 1934, na cidade de Forquilhinha, no Estado de Santa Catarina, era irmã de dom Evaristo Arns, que foi cardeal arcebispo de São Paulo. Ela era viúva desde 1978, mãe de cinco filhos.

Iniciou sua carreira como médica pediatra do Hospital de Crianças Cezar Pernetta na cidade de Curitiba (PR), onde atuou de 1955 a 1964. Em 1983, fundou a Pastoral da Criança. Suas participações em eventos internacionais vão dos confins de Angola à Indonésia, Estados Unidos e Europa. Terminou seu ciclo aqui na terra justamente no Haiti, onde a pobreza o ganhou para terminar ali a sua existência como Missionária dos Pobres, em sua maravilhosa passagem pelo mundo terrestre. No Brasil, desde 1994 participou de vários encontros ligados à Pastoral.

Em sua luta desde o final da década de 1970, a doutora Zilda Arns esteve sempre nas listas de menções especiais e recebeu vários títulos de Cidadã Honorária, enquanto a Pastoral da Criança acumulava diversas conquistas com prêmios pelo trabalho de Solidariedade e Cidadania sempre em prol dos mais necessitados.

Em 2004, durante a festa de premiação estive ao lado dessa guerreira, uma mulher de fala mansa, cativante, que contagiava não só a mim, mas todos que estavam presentes na festa. Um dos monemtos marcantes que eu guardo na memória foi e com certeza permanecerá na minha existência enquanto aqui estiver no mundo terrestre, suas palavras de agradecimento: "Eu quero agradecer muito essa homenagem muito enocionante, com tantas mulheres. Eu gostaria de agredecer as 242 mil pessoas e dessas, 92% são mulheres que trabalham no silêncio e voluntariamente na Pastoral da Criança de todo País. Elas, sim, merecem essa homenagem pelo trabalho de cuidar da saúde, procurando sempre os ensinamentos de resgatar a vida, cuidando não só para que as crianças não morram, mas ensinando para que elas tenham saúde física, social, mental e espiritualmente o caminho da fraternidade e do bem, para que futuramente sejam líderes e seja uma sememte da Paz no nosso mundo".

Que o mestre do infinito superior acolha com as dádivas exclusivas de quem viveu para o bem fazendo o bem. Descanse em Paz com a luz divina iluminado a sua tragetoria na sua nova existência ao lado do Deus, Pai, Filho e Espírito Santo Amém.

Jaime Prado - jornalista

Ler matéria completa